Guia básico sobre a alimentação do gato

Por Cobasi

Compartilhar:

Cuidar da alimentação do gato é um pré-requisito básico para que o seu pet viva uma vida longa, feliz e saudável. Mas não se preocupe porque estamos falando de uma tarefa apaixonante!

Embora hoje seja relativamente simples acertar na dieta adequada aos felinos, nem sempre foi assim. Na verdade, os últimos 50 anos foram de grandes avanços no centros de pesquisa sobre nutrição animal, o que contribuiu muito para o enriquecimento da saúde desses animais.

Porém, se é verdade que os tutores e gateiros de hoje podem acessar um conhecimento consolidado e fontes seguras para acertar na alimentação do gato, isso não quer dizer que devem relaxar na lição de casa. Qualquer dieta, afinal, começa com um bom entendimento sobre as características fisiológicas de quem vai comer.

Entendendo os gatos

Logo, o primeiro passo é entender o organismo dos gatos. Para começo de conversa, os gatos são carnívoros estritos. Isso significa que mais de 70% da alimentação do gato deve ser de origem animal, preferencialmente de carnes magras e nutritivas.

Para entender porque o organismo dos bichanos é assim, basta pensarmos na evolução do gato enquanto espécie. Estamos falando de animais que se desenvolveram caçando pequenas presas como pássaros, roedores e insetos, ou seja, caças que fornecem muita proteína, pouca gordura e quase nada de carboidrato.

Alimentação natural

É esse o balanço ideal da alimentação do gato. Dá para imaginar o trabalho que é alimentar um carnívoro estrito com alimentos frescos, não é? Mesmo assim, uma tendência entre os tutores hoje em dia é oferecer ao gato a alimentação natural.

Os tutores que optarem por essa dieta precisam elaborar o cardápio com a ajuda de um veterinário e ter atenção dedobrada na qualidade dos alimentos.

Embora a cozinha seja uma forma de demonstrar carinho e afeto, a forma mais segura de garantir que a alimentação ajude o gato a se desenvolver e ter boa saúde ainda é apostar nas rações de qualidade.

Escolhendo a ração

As grandes fábricas de ração gastam boa parte do tempo e dinheiro em centros de pesquisa sobre nutrição animal. Assim elas desenvolvem fórmulas com alto valor nutricional e orientadas para o organismo específico de cada animal.

Secas ou úmidas, existem diversos tipos de ração no mercado, desde as standards até as super premium. Outro tipo de ração especial são as medicamentosas, feitas para atender às necessidades de gatos com alguma condição de saúde específica. 

Mesmo no caso das rações, a melhor alimentação vai depender do gato em questão. Qual o estado de saúde do animal, a raça, o porte, o estágio de desenvolvimento? Cada uma dessas características vai determinar o balanço nutricional mais adequado ao pet.

Alimentação do gato filhote e adulto

Por exemplo, é comum achar que o leite de vaca é um bom alimento do gato filhote, mas isso não é verdade. Eles são mamíferos e precisam de leite quando filhotes, mas a composição do leite de vaca não é adequada aos gatos.

Na verdade, caso o filhote não possa se amamentar da mãe, forneça uma fórmula de leite desenvolvida especialmente para os felinos. O leite de outros animais não contam com os nutrientes necessários aos gatos e podem deixar os pets enjoados.

No caso de gatos adultos e saudáveis, o importante é manter um bom estilo de vida e apostar em rações secas ou úmidas de qualidade. As melhores são as super premium, rações que garantem uma fonte de proteína de excelente qualidade e alto valor nutricional.

Guloseimas e petiscos

Por fim, não podemos deixar nossos bichinhos sem um bom petisco de vez em quando, não é mesmo? Como o leitor já pode imaginar, os gatos adoram bifinhos e snacks de carne.

E mesmo que as frutas e legumes pareçam boas opções de petisco de vez em quando, nunca se esqueça de conferir quais delas são permitidas e quais são proibidas para o gato. E, claro, tenha sempre o acompanhamento de um veterinário na hora de montar a dieta do pet.

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário