Como diminuir o estresse em cães e gatos?

29 de agosto de 2018

Saúde e Cuidados

A medicina oriental acredita que os canais de energia dos humanos precisam estar equilibrados para evitar doenças e mal-estar. A tese não se limita apenas a nós, podendo ser aplicada também aos animais, incluindo nossos queridos cães e gatos.

O shiatsu é uma técnica que surgiu no Oriente com o intuito de estimular pontos de energia no corpo todo para buscar equilíbrio e, assim, prevenir problemas futuros.

Para nós, do Ocidente, acabou virando um tipo de massagem procurada para tratar, principalmente, o estresse causado pelo cotidiano. Um alívio para tensões, dores musculares, dores de cabeça e por aí vai. E quem disse que os animais também não sofrem com esses problemas do mundo moderno? É justamente por isso que é possível buscar no shiatsu uma forma de resolver ou prevenir inconvenientes para cães e gatos.

Podemos citar alguns benefícios da técnica quando aplicada nos cachorros, como alívio de dores musculares e articulares; descongestionamento do sistema respiratório; estabilidade muscular e

nerval; relaxamento mental; melhora da circulação sanguínea, do humor e do bem-estar, além da prevenção de doenças.

blog-cobasi-shitsu

Como funciona?

Antes de tudo, é preciso respeitar a vontade do animal. Se ele não se sentir à vontade para ser tocado, não insista, isso pode deixá-lo ainda mais nervoso e até mesmo agressivo.

Por isso, o primeiro contato do cão com o shiatsu deve ser feito por um profissional capacitado. A periodicidade das sessões vai depender do grau de tensão do animal, mas normalmente é a cada 15 dias.

Durante o tratamento, aproveite para pedir dicas para o especialista, assim você pode combinar o carinho que já faz no cãozinho com as técnicas orientais, mas sempre com bastante cuidado. Muitos podem achar esse tipo de tratamento desnecessário para os cachorros, mas esse contato proporciona alívio e melhora a qualidade de vida deles. E quando eles estão bem, nós também nos sentimos melhores.

Conteúdo produzido por Gustavo Grohmann para Revista Cobasi #19