Jardim japonês: como ter um espaço zen em casa

Compartilhar:


jardim japones

Um jardim japonês tem o poder de levar tranquilidade para dentro de casas, apartamentos e espaços maiores, independente do tamanho que ele tenha. E é pelo significado de cada objeto e planta do jardim zen que ele se popularizou em outros lugares do mundo, deixando de ser apenas da China e Japão.

Conheça um pouco mais sobre a cultura asiática e aprenda um passo a passo para criar seu espaço zen em casa.

Jardim japonês: um conjunto de significados

A busca pela espiritualidade já é um hábito enraizado na história de países orientais, e o jardim japonês é uma estrutura repleta de simbolismo. De origem chinesa e datado do século VI, ele foi difundido por budistas e aperfeiçoado pelos japoneses. 

O ambiente atrai energias boas e estimula a tranquilidade daqueles ao seu redor, além disso ele esbanja beleza.

Como montar um jardim japonês?

Em primeiro lugar, tenha em mente que os elementos de um jardim japonês são carregados de significado e é importante que todos façam parte da criação. Sendo assim, vale entender a história de cada peça e como afetam a composição. Por isso, vamos falar sobre os principais elementos de um jardim japonês: água, lanternas, pedras, pontes e plantas.

Água: ciclo da vida

Todas as etapas, do nascimento à morte, são representadas através da água, sem contar que o movimento do líquido é relaxante e também significa adaptação. Porém, dependendo do espaço, não é possível incluir um lago, então considere substituir por pedras ou um vaso Tsukubai.

Lanterna de pedra: a iluminação

A escultura é um dos elementos mais importantes para o jardim japonês, visto que, na maioria das estruturas, tem a forma de uma casinha que contempla a base, que toca o chão, uma parte que simboliza a água, a luz que remete ao fogo e o teto em formato de chapéu ou aspecto redondo que representa o ar e espírito.

Em relação ao ambiente, as regras tradicionais do jardim zen pedem que todos os caminhos do espaço levem até a lanterna, sendo que esta não deve estar centralizada na composição.

Pedras: diversos tamanhos e representações

As pedras grandes são montanhas e colinas, já os cascalhos e pedrinhas menores devem ser compostos para formas caminhos que levem até a água e a lanterna, por exemplo. O desenho desta jornada representa a evolução do ser humano ao longo da sua vida.

No mais, algumas composições usam duas pedras maiores, porém com atributos físicos diferentes, para simbolizar o homem e a mulher. Por fim, a dica é sempre distribuir as pedras e cascalhos perto da água e fontes.

Pontes: o caminho até o sagrado

Se a área que o jardim japonês será construído é ampla o suficiente para incluir uma ponte, saiba que este é um elemento que estimula ainda mais a tranquilidade do espaço. No geral, a estrutura costuma ser feita com bambu, madeira, terra ou pedra e representa a transição do humano para o lado sagrado.

Plantas:  a representação de sentimentos

A contemplação da natureza não seria possível sem a presença das plantas e flores, ainda mais em um cenário como o jardim japonês. E é claro que a simbologia entra forte na hora de compor os elementos vivos do ambiente.

O pinheiro negro, por exemplo, é visto como proteção da família, uma figura paternal que também representa a vida longa. Já o bambu mossô, clássico entre as plantas do jardim, é símbolo da adaptação e habilidade de enfrentar os desafios que aparecem no meio do caminho.

Na entrada, invista na magnólia e pitospóros, flores que afastam espíritos ruins e recepcionam os visitantes. E por fim, não poderia faltar o bonsai, que surgiu na China há mais de 2 mil anos, e se caracteriza por ser uma planta, arbusto ou árvore, que cresce dentro de um vaso pequeno.

Enfim, o oriente é repleto de histórias e heranças que viajam pelo mundo, transformando a vida de pessoas de outras nacionalidades que acreditam na cultura zen. Agora que você sabe o básico sobre o jardim japonês, já pode recriar o seu, depositando boas energias para que ele alegre a sua casa!

Leia mais sobre jardinagem no nosso blog:

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário