Psitacídeos: você sabe o que eles são?

Compartilhar:


Os psitacídeos são um grupo de aves com cérebro muito desenvolvido, o que as torna inteligentes, divertidas e ótimas companheiras! Algumas espécies de psitacídeos podem ser criadas como pet, desde que respeitadas e cuidadas com bastante carinho.

Entre as espécies de psitacídeos, estão o papagaio, as calopsitas, as cacatuas, vários tipos de periquitos e também a arara azul! Nesse artigo, vamos falar mais sobre esse grupo de aves, suas características e o que você precisa fazer se quiser ser tutor de uma delas. Vem com a gente!

Características gerais dos psitacídeos

São muitas as espécies de psitacídeos, mas elas possuem algumas características em comum umas com as outras. O formato da cabeça e do bico, que é bem forte e curvo, são algumas delas. O formato do bico dos psitacídeos, aliás, é feito especialmente para que essas aves consigam quebrar e descascar alimentos diversos, como nozes diversas e até mesmo coco.

Outra característica que diversas espécies de psitacídeos possuem em comum é a incrível habilidade de aprender por imitação. Elas podem aprender a assobiar, repetir sons diversos, dizer algumas palavras e até formar frases! O cérebro dos psitacídeos é tão desenvolvido que alguns podem ser ensinados a obedecer comandos e reconhecer cores. Incrível, não é?

Onde vivem os psitacídeos e como criá-los como pet

Os psitacídeos são um grupo de aves, mas cada uma delas tem as suas particularidades. Por isso, enquanto na Austrália podemos encontrar periquitos e calopsitas na natureza, no Brasil encontramos papagaios e araras de espécies diversas.

Essas diferenças precisam ser levadas em consideração se você estiver considerando se tornar tutor de um ou mais psitacídeos. Como são aves muito inteligentes, já dá pra imaginar que você vai precisar ter um alto grau de interação com elas para garantir que se sintam bem, além de oferecer brinquedos e outras distrações para mantê-las entretidas uma boa parte do tempo.

Regras gerais para criação de psitacídeos

Você vai precisar fazer uma boa pesquisa antes de decidir por se tornar tutor de uma das espécies de psitacídeos se quiser exercer a posse responsável do animal. O primeiro passo é verificar se o estabelecimento que está vendendo os pássaros é certificado pelo Ibama, e exigir toda a documentação comprovando isso antes de efetuar a compra. Fique atento!

Em seguida, será preciso preparar o ambiente para receber a ave. Os psitacídeos precisam poder abrir suas asas completamente dentro da gaiola ou do viveiro, sem encostar nas laterais. Para escolher o tamanho certo de gaiola, considere sempre o porte que a ave irá atingir na idade adulta. 

Não esqueça de avaliar, também, o local onde a gaiola será instalada, tomando cuidado com superfícies desniveladas que podem fazer com que a estrutura caia, machucando a ave. Observe a incidência do sol e se há correntes de ar. Se você tem outros animais em casa, não deixe de levar isso em consideração ao escolher uma espécie de psitacídeo.

Brinquedos e alimentação ideais para psitacídeos

Como dissemos, o bico dos psitacídeos foi feito especialmente para quebrar e descascar alimentos. Com base nisso, você pode escolher brinquedos que simulem esses movimentos para manter as aves entretidas, como bolinhas, argolas, cordinhas para atar e desatar nós etc. Tome cuidado com o material de que são feitos esses brinquedos, pois os psitacídeos podem arrancar e engolir pequenos pedaços. Nenhum brinquedo é indestrutível.

Com relação à alimentação dos psitacídeos, tanto os tipos, quanto a frequência e o volume de cada refeição deverá ser estabelecido em parceria com o médico veterinário escolhido para acompanhar o desenvolvimento da ave, pois os alimentos podem variar bastante de um animal para o outro.

O veterinário é o profissional indicado para fazer todas as recomendações que envolvem a saúde e o bem estar do seu pet. Faça consultas regulares e curta os momentos ao lado dos seus psitacídeos!

Continue aprendendo com a gente com esses artigos selecionados:

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário