Tilacino, ou o lobo-da-Tasmânia. Ele ainda vive?

Compartilhar:


tilacino

O Tilacino (Thylacinus cynocephalus), mais conhecido como tigre ou lobo-da-Tasmânia, é um animal que mexe muito com o imaginário popular, principalmente na Austrália, seu habitat natural. O Tilacino foi declarado extinto em 1936 e era o maior marsupial carnívoro dos tempos modernos. Pertencia à mesma classe de mamíferos dos gambás e cangurus, bem longe dos lobos ou tigres que batizam seus apelidos.

Sua cor variava entre o cinza e o marrom e podia chegar aos dois metros de comprimento. Como todos os marsupiais, carregava seus filhotes em uma bolsa externa acoplada ao corpo, igual aos cangurus. A cara e o corpo lembravam os de um cachorro. Por fim, tinha listras nas costas – como um tigre. Tanta coisa, em um animal só, faziam do lobo da Tasmânia um exemplar único da natureza! 

A raridade de registros fotográficos ajuda a compor a lenda sobre o animal. Existem pouquíssimas imagens dessa espécie singular, devido à pouca tecnologia da época. Há menos de seis fotografias conhecidas do Tilacino. Em 2020, um site de notícias publicou um vídeo antigo de um lobo-da-Tasmânia. Segundo a reportagem, trata-se da restauração de uma gravação de 1935, do último animal da espécie, batizado de Benjamin. 

A espécie tinha hábitos carnívoros e solitários. Preferia caçar sozinho ou em grupos bem pequenos. Sua alimentação era composta principalmente de cangurus, que atacavam durante a noite. 

Por que o Tilacino, o lobo-da-Tasmânia, foi extinto?

O animal apareceu pela primeira vez há quatro milhões de anos. Era encontrado em todo o continente australiano, do norte da Austrália à Nova Guiné e do sul até Tasmânia. Mas foi extinto da parte continental da Austrália há mais de três mil anos, ainda não se sabe o por quê. Só sobreviveu na Tasmânia, tornando-se símbolo da ilha.

Uma doença desconhecida e a invasão do seu habitat natural pelo homem potencializaram o desaparecimento. Além disso, a caça ao lobo-da-Tasmânia se intensificou durante o século XIX, com a colonização europeia. O Tilacino passou a ser perseguido e considerado uma ameaça ao gado e às ovelhas das fazendas. Os fazendeiros chegaram a oferecer recompensas por animas mortos. No entanto, mais tarde, reconheceu-se que os ataques aos rebanhos eram feitos por outros animais.

A perseguição acelerou o fim do lobo-da-Tasmânia, que ficou restrito ao cativeiro nos tempos finais da espécie. Benjamin, o último animal da espécie, morreu em setembro de 1936, no zoológico da Tasmânia. 

Há chances de o lobo-da-Tasmânia ter sobrevivido?

Mesmo declarado extinto oficialmente desde 1936, há quem diga que o lobo-da-Tasmânia sobreviveu escondido. Há décadas, moradores da Austrália relatam terem visto um ou outro animal da espécie. A Universidade da Tasmânia coletou e analisou mais de 1200 relatos de pessoas que teriam visto o lobo da Tasmânia entre 1910 e 2019. Mas ainda não há comprovação da sobrevivência do animal.  

No entanto, equipes de cientistas continuam atuando em busca do animal na Oceania, na esperança de encontrar um lobo-da-Tasmânia vivo. Seria um sonho antigo voltando do passado e virando realidade. Nada mal, não acham?

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

1 Comentário

  1. Aliomar Almeida disse:

    Muito bom. Sempre há esperança em resgatar uma espécie desaparecida da natureza. Vejam os esforços para reintegração de nossas Ararinha Azul, depois de extinta na natureza em consequência do tráfico.

    Parabéns pela matéria

Deixe o seu comentário