Calda bordalesa: o que é? Como é usada?

Compartilhar:


Aplicação de calda bordalesa

A história é cheia de invenções que surgiram por acaso ou por acidente. Esse é o caso da calda bordalesa, uma solução inventada na França no século XIX que se tornou uma das ferramentas mais eficazes no combate às contaminações por fungos nas plantas.

A origem da calda bordalesa

A França é famosa por suas regiões produtoras de vinhos, sendo cada região conhecida por suas uvas e modos característicos de produção. Entre os vinhos mais apreciados no mundo todo estão aqueles da região de Bordeaux.

Igualmente, foi também na região de Bordeaux onde surgiu essa solução antifúngica. Daí seu nome: bordalesa. 

Contudo, a calda bordalesa não fora inventada com esse intuito. Na verdade, sua descoberta se deu por acaso. A fim de impedir o roubo das uvas, os viticultores da região de Bordeaux começaram a espalhar uma solução de cal nos frutos, o que os deixava amargos.

Calda bordalesa ou calda sulfocálcica?

Acontece que para preparar tal solução os agricultores utilizavam potes de cobre. Pois foram as reações químicas entre o cal hidratado e o cobre que deu origem à calda bordalesa, também conhecida como calda sulfocálcica.

Cacho de uvas com fungos

Quando o botânico Pierre Marie Alexis Millardet viu que as plantas que recebiam essa solução não eram atacadas por fungos ele percebeu que os agricultores haviam inventado um poderoso medicamento preventivo.

A solução impede o desenvolvimento dos esporos, por isso a calda bordalesa é indicada como medida de prevenção às doenças fúngicas. E não só as uvas se beneficiaram dessa descoberta, afinal ela se mostrou útil no manejo de qualquer planta.

Como usar a calda bordalesa?

Porém é preciso sempre estar atento à aplicação e não exagerar. As plantas respondem de maneira distinta à aplicação da calda bordalesa. Algumas são mais sensíveis, outras mais resistentes, é preciso analisar tanto a espécie quanto a idade da planta.

Dessa forma é necessário ajustar a frequência e a dosagem para cada tipo de cultivo. Para jardins, hortas, pomares e gramados a aplicação deve ser feita de 15 em 15 dias.

Já para flores, folhagens e samambaias a frequência deve ser de uma semana, porém com uma diluição maior do produto. Para cultivos de hidroponia e fertirrigação a calda deve ser diluída nos próprios sistemas.

Contudo, além de combater fungos, a calda bordalesa também protege contra algumas doenças bacterianas e pragas animais. Outra vantagem é que ela também serve como fertilizante, adicionando enxofre e cálcio na terra.

Cuidados ao usar

Cuidado ao usar Calda Bordalesa

Há um problema, porém, no uso em larga escala da calda sulfocácica: o sulfato de cobre tende a se acumular no solo e tornar a terra tóxica para microorganismos essenciais para a saúde das plantas.

O uso indiscriminado de calda bordalesa acaba matando minhocas e fungos benéficos ao solo, por exemplo.

Por isso a aplicação deve ser feita pontualmente e por borrifação. Da mesma forma, outro cuidado necessário é a proteção individual. Sobretudo o uso de luvas, máscaras e óculos são indicados para evitar irritações na pele ou na mucosa.

Gostou de conhecer mais sobre a calda bordalesa? Confira estas outras dicas de jardinagem que separamos para você:

| Atualizada em

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário