Animal de Assistência Emocional: o que é e quais os benefícios?

3 de fevereiro de 2021

Cachorros, Comportamento Animal
Filhote de Husky pode ser animal de assistência emocional

O Animal de Assistência Emocional ou animal de apoio emocional, como também é chamado, é mais do que um pet. Apesar disso, eles não são considerados animais de serviço, mas mesmo assim podem acompanhar seus tutores na cabine em voos, viajar no transporte público e entrar em locais restritos para outros pets.

Oficialmente chamados de Animais de Assistência Emocional (ESAN), esses cães, gatos e cavalos, por exemplo, proporcionam conforto e auxiliam no controle de doenças psiquiátricas de seus tutores, como depressão e ansiedade. Esses bichinhos só podem ser considerados como ESAN por um médico psiquiatra.

Qual a diferença de um animal de estimação e um Animal de Assistência Emocional?

É verdade que todo tutor pode dizer com sinceridade que seu pet faz muito bem para toda a família. E não são poucas as pesquisas que comprovam o bem que o convívio com cães, gatos e outros animais gera. O periódico científico Journal of Psychiatric Research, por exemplo, concluiu que animais de estimação aumentam a eficácia de medicamentos antidepressivos em pacientes em tratamento.

O simples fato de ter um animal em casa ou conviver com esses peludinhos já faz muito bem, mas esses são apenas considerados animais de estimação. Os animais de suporte emocional possuem um papel ainda maior, mas ainda assim são diferentes dos animais de serviço.

Entre os animais de serviço mais famosos está o cão-guia, um cachorro treinado para auxiliar deficientes visuais na rotina. Eles são capazes de ajudar em caminhadas na rua, no dia a dia dentro de casa e até no trabalho. Esses animais são altamente treinados para dar mais autonomia aos seus tutores.

Exatamente aí que está a diferença entre um Animal de Assistência Emocional e um animal de serviço. O segundo grupo é treinado profissionalmente para atender às necessidades especiais e eles trabalham para ajudar seus tutores. Já os animais de apoio emocional geram benefícios ao tutor através do companheirismo. Esses pets estimulam a socialização e a prática de exercício, que gera ganhos na saúde física e mental, como a redução do estresse.

O que é um animal de apoio?

animal de assistência emocional

Esses pets ajudam seus tutores de inúmeras maneiras. O companheirismo gera felicidade, abaixando os níveis de estresse e ansiedade. Além disso, um tutor possui diversas responsabilidades, como passear, alimentar e cuidar. Pode parecer simples, mas muitas pessoas com depressão não encontram motivos para sequer sair da cama. Os animais podem justamente dar o motivo e o empurrãozinho que faltava, potencializando o efeito de medicamentos prescritos por um médico psiquiatra para diversos distúrbios psicológicos.

São também esses profissionais que podem atestar que determinada pessoa precisa da assistência emocional de um animal. Isso faz com que sua presença seja importante em diversos momentos, como em viagens. Por isso, eles acabaram ganhando o direito de viajarem na cabine junto aos tutores em voos.

Benefícios do convívio com animais

Você sabia que um simples carinho que você faz em um bichinho pode ativar os neurotransmissores e conectá-los à sensação de bem-estar, diminuindo a sua pressão arterial, a frequência cardíaca e aumentando os níveis de serotonina? É por isso que de vez em quando vemos na TV a importância da visita de um cachorro em um hospital, por exemplo! Mas é claro que estes “doutores pet” recebem um treinamento específico para poder dar este suporte. 

Conhecida como Terapia Assistida por Animais (TAA), a intervenção se tornou uma terapia alternativa voltada para o tratar deficiências mentais, motoras e serve como um apoio fundamental aos tratamentos medicinais tradicionais. 

Desde a sua implantação no Brasil, na década de 1990, estes cãezinhos já fizeram a alegria de crianças e adultos. Mas além das terapias em hospitais, animais de companhia podem ter papel fundamental na vida de pessoas que não estão em hospitais.

Além destes tratamentos, os animais também podem dar apoio às pessoas com depressão, por exemplo. A companhia de um bichinho pode alegrar e muito a vida de uma pessoa solitária e pode ser uma excelente opção para idosos, por exemplo. Eles podem até ser um aliado no combate a outras doenças psiquiátricas.

Como ter um animal de suporte emocional?

O primeiro passo é realmente ter a necessidade. Como já dissemos, todos os pets fazem muito bem aos seus tutores, mas isso não quer dizer que o tutor tenha distúrbios psiquiátricos que precisem de suporte.

Apenas um médico psiquiatra pode determinar se um paciente precisa disso.

Animais de Assistência Emocional podem viajar de avião na cabine?

Depende! Desde 1986, os Animais de Assistência Emocional podem viajar de avião na cabine, porém, no Brasil não existe legislação específica. Por conta disso, fica a critério de cada companhia aérea. Normalmente, a presença desses animais na cabine é autorizada em trechos entre Brasil e exterior. Algumas companhias fornecem viagens gratuitas para esses pets, enquanto outras cobram um valor adicional.

É indicado que o tutor de um Animal de Assistência Emocional consulte a companhia e verifique as condições. Existem diversos formulários e regulamentos a serem cumpridos, sempre com o acompanhamento de um médico responsável.

Além dos cuidados com a documentação, o animal de apoio também deve receber treinamento adequado para se comportar em público não sendo agressivo. Fora isso, é de total responsabilidade do tutor, a alimentação e medicação do animal. Por isso, não se esqueça de que você é responsável pelo seu bichinho. Mantenha-o sempre na guia e respeite os limites do animal, esteja atento com a temperatura do local e as condições climáticas.

Assim como os pets podem trazer muitos benefícios para nós, também nossa responsabilidade oferecer qualidade de vida e saúde para o bichinho.

Confira nossa seleção de posts de como cuidar do seu cachorro: