Cacatua negra: saiba tudo sobre o animal

Compartilhar:


cacatua negra

A cacatua negra, também conhecida como cacatua de cauda vermelha, é uma ave natural da Austrália. Os machos e as fêmeas têm características físicas distintas uns dos outros, ou seja, apresentam o chamado dimorfismo.

A cacatua negra macho é totalmente preta, com exceção de algumas penas da cauda que são de um tom de vermelho bem brilhante. A cabeça do macho tem um topete vasto, com penas bem compridas, começando na testa do animal e se estendendo até sua nuca. O bico tem cor de chumbo, um tom de cinza bem escuro.

A fêmea da cacatua negra tem penas de cor marrom escuro, e pode apresentar algumas pequenas listras alaranjadas na cauda e no peito. A cabeça e as asas são salpicadas de lindas pintinhas amarelas.

Características gerais da cacatua negra

A cacatua negra é um animal com hábitos diurnos, considerando bastante ativo e até barulhento enquanto há luz do sol. Na Austrália, onde esses animais são encontrados na natureza, é comum encontrar bandos com até 500 aves que voam juntas, e que vivem em comunidade.

No seu habitat natural, ela se alimenta de frutos e sementes em grande quantidade. Por isso, existem relatos de que grandes bandos de cacatuas negras são capazes até mesmo de destruir pomares inteiros e prejudicar bastante as terras utilizadas para agricultura.

A reprodução da cacatua negra

Os casais de cacatua negra podem acasalar de maneira a produzir ovos com bastante frequência, em média a cada três semanas, entre os meses de fevereiro e novembro. Cada ovo leva, em média, 30 dias para chocar, dando origem ao filhotinho de cacatua negra.

Os filhotes de cacatua negra nascem e permanecem com as mesmas cores da mãe durante os primeiros meses de vida. Os machos dessa ave atingem sua puberdade por volta dos 4 anos de idade, quando passam a se tornar agressivos com outros da mesma espécie por conta do período de acasalamento.

Criação da ave em cativeiro

No Brasil, a criação da cacatua negra em cativeiro precisa ser legalizada e autorizada pelo Ibama. Por se tratar de um animal silvestre, e especialmente por ser um pássaro que não é originário do nosso país, a comercialização da ave deve ser feita somente por estabelecimentos regulamentados para esse fim, pois sua introdução em nossa fauna tem muitos impactos.

Ao optar por ser tutor dessa ave, é sua responsabilidade pesquisar os estabelecimentos certificados pelo Ibama antes de fazer qualquer tipo de negociação com eles. Pesquise bastante, peça para ver a documentação, e desconfie de locais visivelmente suspeitos, pois as chances de você estar apoiando o tráfico de animais, mesmo que não seja a sua intenção, é grande. 

Isso não quer dizer que você possa ou deva confiar cegamente em lojas bonitinhas, certo? Pesquise bastante antes de qualquer negociação e, se possível, converse com pessoas que já tenham uma em casa para saber como é o dia a dia e os cuidados envolvidos na posse responsável de um desses animais.

Confira mais alguns artigos selecionados para você:

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário