Erliquiose canina: tudo sobre a doença do carrapato

Compartilhar:


ERLIQUIOSE
A erliquiose é uma doença causada pelo carrapato.

A erliquiose é uma doença que afeta cães de todas as idades e todos os portes. Dessa forma, é importante aprender sobre ela, principalmente porque, se não houver um tratamento, pode colocar a vida do pet em risco. Se você tem um bichinho que está sempre em contato com outros animais na rua, creches e pet shops, este conteúdo é pra você!

Saiba tudo sobre a erliquiose, conhecida como doença do carrapato, se existem maneiras de prevenir ou proteger seu amigo e o que fazer se ele estiver doente.

O que é a erliquiose?

É comum que tutores não fiquem preocupados quando o seu cachorro começa a apresentar sinais de que está com algum tipo de carrapato. Isso porque existe uma falsa crença de que basta retirar o parasita, porém, a erliquiose canina comprova o contrário.

A causa da erliquiose canina está ligada a uma bactéria chamada Ehrlichia canis, que tem a sua transmissão gerada pelo carrapato marrom. Isto é, esse carrapato, ao picar um animal, passa a ser o portador da doença. Suas chances de contágio são maiores nas épocas de calor, mas é bom manter atenção constante.

A principal preocupação com esta doença é que, infelizmente, é apenas uma daquelas que o carrapato transmite. Essa bactéria percorre, então, a corrente sanguínea do seu pet e passa a se multiplicar em células de defesa, provocando a morte dessas células. Assim, o sistema imunológico do bichinho sofre um baque e ainda fica aberto a complicações de saúde.

Quais são os sintomas da erliquiose?

Os sintomas da doença do carrapato aparecem de acordo com o estado de saúde do animal e a partir do momento em que ele é infectado. A incubação da bactéria dura de 8 a 20 dias, fase em que é bastante difícil detectar a doença. Logo depois, na fase aguda, ela se multiplica em órgãos como o fígado e o baço, deixando o animal extremamente debilitado.

Veja abaixo os principais sinais da erliquiose em um cachorro, e, caso seu pet esteja com algum deles, procure um veterinário com urgência:

  • apatia e fraqueza;
  • falta de apetite;
  • manchas vermelhas pelo corpo;
  • febre;
  • sangramento na urina ou pelo nariz.

Fase subclínica

Nessa fase da erliquiose canina, os sinais da doença vão se atenuando, mesmo com a presença da bactéria no organismo. É aqui que o sistema imunológico do animal trabalha intensamente, produzindo anticorpos para eliminar o agente parasitário. Caso isso não aconteça, o cachorro entra na fase crônica, quando a doença causa complicações em vários órgãos.

Fase crônica

Talvez a pior das fases seja a crônica. Isso porque os sintomas da doença podem voltar e até mesmo ser letais para o cão. Por conta da diminuição das plaquetas e pelo sistema debilitado do animal, a doença atinge a medula óssea, desenvolve problemas renais, artrite, e o animal está exposto por completo.

E erliquiose canina tem cura?

A notícia boa é que a doença do carrapato tem cura, mas para que o animal sofra o mínimo possível com a erliquiose, é fundamental que, ao notar qualquer sintoma, você leve o pet ao veterinário. Com o tratamento correto e acompanhamento do médico-veterinário, seu bichinho irá se recuperar.

A doença do carrapato é contagiosa?

Sim, a erliquiose é contagiosa para humanos, porém a transmissão não acontece pelo cachorro, e sim pelo carrapato. Ou seja, é preciso que o parasita pique a pessoa para que ela fique exposta à doença. Caso aconteça, os sintomas da erliquiose em seres humanos são parecidos com os que acometem os animais.

ERLIQUIOSE
Consulte um veterinário para o melhor tratamento do seu pet.

Qual o tratamento da erliquiose canina?

Existem alguns cuidados básicos que devem ser seguidos quando o seu pet estiver apresentando algum dos sintomas aqui relacionados. Em primeiro lugar, evite receitas milagrosas que a internet mostra, tendo em vista que isso pode ser um agravador do problema e piorar o quadro do seu pet.

O segundo cuidado é nunca realizar automedicação no seu cachorro, pois não há um único remédio específico para essa doença, e tudo depende de uma série de fatores. Por essa razão, o terceiro cuidado é levar o seu amigo até um médico-veterinário, pois somente ele poderá indicar qual a melhor solução clínica que levará à cura.

A partir dos sintomas apresentados, o animal passa por um hemograma para erliquiose canina para diagnóstico de anemia, trombocitopenia e observação da presença da bactéria. O tratamento da doença do carrapato depende do quadro do cão, mas o veterinário orienta medicação de antibióticos para cachorro, se necessário, transfusão de sangue e remédios complementares.

Como prevenir a erliquiose canina?

Por fim, como a doença é transmitida por um carrapato, o primeiro cuidado é garantir uma coleira antipulgas para o animal, ou outro tipo de proteção contra parasitas. Em conjunto, sempre limpe os ambientes que ele frequenta e redobre a atenção nas estações quentes.

Se for viajar, converse com o veterinário do seu bichinho. É possível que ele recomende o uso de outros produtos, como repelente e outros itens contra pulgas, carrapatos e insetos que causam doenças.

No dia a dia, aproveite a hora do carinho para olhar o pelo do cachorro, as regiões da orelha, patas, pescoço, assim como as dobrinhas, que são as partes favoritas dos parasitas.

Gostou deste post? Fique por dentro de outras doenças comuns em cachorros! Temos vários conteúdos aqui no Blog da Cobasi feitos pensando na saúde e no bem-estar do seu pet:

| Atualizada em

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário