Axalote: um dos anfíbios mais impressionantes

16 de julho de 2021

Anfíbio, Anfíbio, Comportamento Animal, Institucional, Meu pet e eu, Outros animais, Saúde e Cuidados
Axalote: um dos anfíbios mais impressionantes

A natureza é extremamente surpreendente, e isso todo mundo já sabe. Nela, existem animais de todos os tipos, tamanhos e formatos. E aqui vamos explicar sobre uma criatura de aparência bastante peculiar e apaixonante, com características únicas, e que, ainda, tem a habilidade de se regenerar sozinha. Estamos falando do axalote!

Também conhecidos como “axalotl”, “monstros da água” ou “dragão da água”, esses companheirinhos parecem ter saído de um filme de fantasia. E, apesar de restarem poucos dessa espécie na natureza, hoje em dia muitos são comercializados como animais de estimação. 

Agora, vamos falar mais sobre as peculiaridades do axolotl.

Sobre as características das espécies

Apesar de viverem a vida toda dentro d’água, o axalote não é um peixe. Na verdade, ele pertence à mesma classe dos sapos: a dos anfíbios. O que acontece no caso do axolotl é que eles são uma espécie de salamandra que mantém mesmas características de quando eram uma larva, mesmo na fase adulta.

O axolotl salamandra adulto mede, aproximadamente, de 15 a 45 cm, embora os tamanhos mais encontrados sejam de até 25 cm. A cabeça deles é achatada, os olhos não possuem pálpebras, eles contam com brânquias externas e barbatana na cauda, além de quatro patinhas com quatro dedos em cada. Uma aparência bastante única, não é mesmo?

E não é só isso! Esses animais se destacam demais por conta da sua habilidade de regeneração. Eles são capazes de se recuperar de machucados sem deixar qualquer cicatriz, além de regenerar completamente a perda de membros inteiros, que são constituídos por estruturas não comumente regeneradas, como musculatura, ossos, nervos, e vasos sanguíneos. 

O axalote é tão impressionante que consegue recuperar completamente a medula espinhal em caso de lesões, e, ainda, reparar metade de seu coração ou cérebro! E, justamente por conta disso, eles têm chamado a atenção de diversos cientistas ao redor do mundo. 

Em que tipo de ambiente vive o axalote?

De origem mexicana, o axolotl salamandra gosta de viver em lagos de água doce e escuros, com vegetação abundante. Diferente dos outros anfíbios que passam a viver na terra depois da fase larval, os axalotes continuam a viver na água.

O único habitat natural da espécie consiste nos lagos da Cidade do México, porém, infelizmente, existem poucos axalotes encontrados na natureza hoje em dia. Isso porque o axolotl salamandra têm sido muito capturado para o comércio ilegal, além de ser usado para fins gastronomicos também. Sendo assim, a espécie, atualmente, é considerada como criticamente em perigo de extinção.

Porém, mesmo que sejam cada vez mais raros na natureza, a espécie tem sido preservada em cativeiros, tanto para estudos científicos quanto para o aquarismo. Então, sim, é possível criar um axalote como pet! Mas calma lá. Essas criaturinhas exigem cuidados bastante específicos. Então, vamos conferir alguns deles!

Como criar o axolotl como pet?

Axalote: um dos anfíbios mais impressionantes

O axalote tem preferência por águas calmas, bem oxigenadas e limpas, e ele é, ainda, bastante sensível à fluxos de água médios e elevados. Por isso, é importante adquirir um bom sistema de filtragem, mas que não crie nenhum tipo de correnteza.

Já em relação à faixa de pH, os axalotes podem ser mais tolerantes, suportando a média entre 6.5 e 8.0, apesar disso, o mais recomendado é de 7.4 a 7.6. E é ideal que a temperatura da água esteja entre 16°C e 20°C.

Contudo, é importante ter em mente que a amônia se torna extremamente tóxica em águas de pH mais alcalino, por isso, mais uma vez, ressaltamos a importância de adquirir um bom sistema de filtragem, além de higienizar o aquário regularmente.

Outro ponto importante é: o axalote não é fã de companhia. Quando estressado, esse pet pode se tornar bastante agressivo, tentando morder e atacar os seus companheiros de aquário. Além disso, suas brânquias externas são bastante atrativas para os peixes, que podem tentar pegar, deixando os axalotes bastante incomodados.

Quanto à dieta, os axalotes gostam de girinos, insetos, crustáceos e pequenas minhocas. Os alimentos oferecidos devem ser macios e de tamanho suficiente para serem engolidos inteiros, isso porque os axalotes não possuem dentes. 

E com os cuidados corretos, a expectativa de vida desse bichinho será de aproximadamente 12 anos.

Gostou deste conteúdo? Saiba mais aqui: