Como ensinar um gato a passear de coleira?

9 de novembro de 2018

Gatos

Você gostaria de passear com seu gatinho, mas acha que seria uma missão impossível?
Você já viu alguns gatos passeando tranquilamente na coleira, mas acha que o seu jamais faria o mesmo?
Você até já tentou sair para passear, mas a experiência foi decepcionante?
Calma que nem tudo está perdido!

Passear com o gato na coleira é uma atividade altamente divertida para os gatinhos – claro, para aqueles que já estão acostumados ao passeio. Os passeios servem para que os gatinhos explorem o ambiente, para socializar com outros, para pôr a prova os sentidos aguçados que possuem, como a audição, nas relações com o ambiente e etc. Atos que influenciam diretamente em seu bem-estar.
Legal, não? Listamos abaixo algumas dicas para desenrolar de vez o assunto passeio para gatos. Leia mais sobre como ensinar um gato a passear de coleira!

Comece ainda cedo

É mais fácil ensinar a passear quando estimulados ainda filhotes. Os gatinhos se habituam com maior naturalidade ao uso dos acessórios para passeios, quando comparado a gatos adultos. Os adultos podem aprender também mas requerem mais treinamento, suporte e paciência.

De olho no comportamento

Observar o comportamento de cada gatinho é fundamental, pois mesmo possuindo a mesma raça, com a mesma faixa etária e vivendo em um mesmo ambiente – gatos podem apresentar condutas bem diferentes um dos outros.

Existem gatinhos mais corajosos e determinados – assim também como há os mais cautelosos e desconfiados. Os mais destemidos, evidentemente, se adaptam com maior facilidade aos passeios; já os mais retraídos, levam mais tempo para se acostumar.

Há também uma parcela de gatos que são bem inseguros, preferindo sempre estar no conforto do lar do que explorando um ambiente desconhecido. Para esses, o passeio pode significar estresse, medo e mal-estar. E o melhor que temos a fazer para eles, é apenas enriquecer o seu ambiente com produtos/brinquedos específicos, e deixar os passeios para os demais.

Escolhendo a coleira certa

Sabe aquela coleira clássica que é colocada no pescoço? Ela não é a melhor opção para passeios, não!

A melhor opção para passeios são as coleiras específicas para gatos do tipo “peitoral” – onde o ponto principal de fixação é o tórax do animalzinho e não o pescoço. São mais adaptadas ao formato do corpo do gato, gerando menos desconforto durante os passeios, e são mais seguras, pois possuem um sistema mais confiável em termos de contenção.
Ah, lembrem-se sempre: plaquinhas (ou outros meios) de identificação são imprescindíveis durante os passeios!

Adaptação à coleira

Inicialmente é importante que o gato já esteja acostuma ao uso da peitoral, e esse processo deve acontecer de forma gradativa, sobretudo para os adultos. A peitoral deverá ser, a princípio, reconhecida pelo gato como um item seguro e associada a benefícios. Sabe aquela brincadeira preferida do seu gatinho? Introduza a coleira peitoral nessa brincadeira, não a vestindo no animal ainda, mas para que ele possa ter um contato visual/olfativo com o objeto. Sabe aquele petisco preferido? Forneça-o criando uma associação com a peitoral (segure-a em uma das mãos, e com a mesma mão que está a segurar a peitoral, forneça os petiscos). Assim, dentro de algum tempo, seu gatinho identificará a coleira peitoral como “algo de bom está a caminho”.

Hora do passeio: Primeiras voltinhas dos gatinhos

Depois de familiarizado visualmente à coleira peitoral, já é hora de passear! Ao colocar a coleira pela primeira vez, o gato poderá estranhar – o que é plenamente normal. Nos primeiros dias, apenas coloque a peitoral no gato, e logo em seguida retire-a: é uma maneira de acostumar o corpo do animalzinho ao uso do acessório, de forma gradativa e serena, evitando assim o estresse.
Quando o gatinho já estiver adaptado ao uso da peitoral, conecte uma guia e explore inicialmente a área interna de sua casa – com pequenos passeios diários, associados ao termino a algum benefício – aquela história do “algo de bom está a caminho”, sabe?

Expandindo horizontes

Se tudo ocorrer bem no início, é possível expandir a área a ser explorada. Pense inicialmente em locais seguros e conhecidos por você, como o quintal da casa, a área de lazer do condomínio e etc. Com o tempo, busque novas opções, priorizando sempre os locais mais calmos, seguros e estáveis (opte em sair nos horários com menor circulação de pessoas e cachorros) – e com o passar do tempo, seu gatinho ganhará mais confiança, e os passeios em locais que ofereçam mais estímulos poderão ser experimentados.

Respeite os sinais

Quando os gatos se sentem incomodados e desconfortáveis com alguma situação deixam evidenciar toda sua insatisfação através de certas atitudes: às vezes deixando de andar, às vezes se agitando demais, às vezes miando intensamente ou tentando fugir e etc. Se o gato não estiver de acordo com alguma situação envolvida no passeio, respeite-o cancelando a atividade. É melhor reiniciar o processo em outro dia, do que associar o passeio a uma obrigação punitiva, podendo gerar bloqueios definitivos a passeios.

Deu uma vontade incontrolável de colocar uma coleira e sair por aí sem destino com o seu gatinho? Tenha calma e controle sua ansiedade! Evite expor o gatinho de forma precoce a um ambiente desconhecido, atrasando ainda mais o processo de aprendizagem, certo?

Constância, paciência e respeito em suas andanças, sempre!

Autor: Luiz Lisboa – Educação Corporativa