Disfunção Cognitiva Canina: o Alzheimer de cachorro

| Atualizada em

Por Cobasi

Compartilhar:
Cachorro com disfunção cognitiva canina

Você já ouviu falar de Disfunção Cognitiva Canina? A doença também é conhecida como Alzheimer de cachorro e, no geral, afeta pets idosos. Continue a leitura e saiba mais sobre a Síndrome da Disfunção Cognitiva Canina, como prevenir e tratar.

Como surge a Disfunção Cognitiva Canina

A expectativa de vida dos pets vem aumentando cada vez mais. Graças aos cuidados de seus tutores e avanços na medicina veterinária nos últimos anos, tornou-se relativamente comum encontrarmos cãezinhos e gatos de 14 ou 15 anos vivendo com qualidade incrível.

Junto com esse ganho na longevidade, algumas condições clínicas têm surgido com maior frequência. É o caso de cânceres, doenças renais e também a Síndrome da Disfunção Cognitiva.

Défict Cognitivo é outro nome dado ao que é conhecido como Alzheimer dos pets. No entanto, a condição nada tem relação com o Alzheimer humano, apenas os sintomas são semelhantes.

Sintomas de cachorro com Alzheimer

A confusão mental e as mudanças de comportamento do pet são dois dos principais sintomas da Disfunção Cognitiva Canina. Associados à senioridade, podem ser vistos em ações sem sentido, como andar em círculos ou parar em frente a uma parede por um longo período.

As alterações na rotina de sono também são comuns nessa condição. Nada tão sutil como o animal ficar mais dorminhoco, mas a troca do dia pela noite. O apetite também pode mudar, bem como o animal pode “esquecer” o que comeu e solicitar comida novamente em horário não rotineiro.

Outro sintoma do Alzheimer canino é a vocalização excessiva, principalmente à noite. Valem latidos e uivos muito altos como se estivesse com dor. Animais nessa condição podem não reconhecer membros da família e ainda andar sem rumo e compulsivamente.

Por sim, animais com a Disfunção Cognitiva em cães podem urinar ou defecar em locais inapropriados.

Muitos desses sintomas são inespecíficos e podem estar relacionados a outros quadros, como tumores, doenças articulares, doenças oculares, doenças no trato urinário e digestivo. Por isso é muito importante procurar um médico veterinário para avaliar e descartar outras alterações antes de concluir o quadro como disfunção cognitiva. É recomendável que cães idosos façam o acompanhamento clínico semestral. Ao contrário do que diz o senso comum, as doenças do pet idoso podem e devem ser tratadas!

Veja o resumo dos sintomas e caso perceba algum no seu cachorro, procure um médico veterinário:

  • Confusão mental
  • Mudanças no comportamento
  • Trocar o dia pela noite
  • Ter mais ou menos apetite
  • Esquece que já se alimentou ou passeou
  • Latidos e uivos sem sentido
  • Não reconhecer sua família
  • Andar sem rumo e compulsivamente
  • Fazer xixi e cocô fora do lugar

Tratamento da Síndrome da Disfunção Cognitiva em pets

Hoje, já existe medicamento para Disfunção Cognitiva Canina. Com o tratamento adequado é possível abrandar os sintomas e aumentar a qualidade vida e dar mais longevidade para os cães. Cada caso deve ser avaliado individualmente pelo seu veterinário de confiança para estabelecer o protocolo mais adequado e eficaz.

Na Cobasi, você encontra uma grande quantidade de produtos para cachorros idosos. Um bom exemplo são os suplementos próprios para pets seniores, que ajudam a combater radicais livres, aumentam o aporte de oxigênio para os tecidos cerebrais e ainda apresentam componentes que protegem as articulações. Além disso, as rações para cães idosos são fundamentais para repor nutrientes e prolongar a vida do seu amigão.

Enquanto a alimentação de filhotes é baseada no crescimento e desenvolvimento saudável e a dos cães adultos na manutenção da saúde, os alimentos para idosos possuem outras funções. Repor nutrientes e dar suporte ósseo e articular são algumas delas. Pets idosos precisam de atenção especial e muito carinho.

Além de indicar suplementos e medicamentos, seu médico veterinário também pode recomendar algumas adaptações na sua casa e rotina. A desorientação pode gerar alguns acidentes, por isso, caso você tenha piscina, mantenha ela sempre fechada. Cuidado com janelas e varandas de casas e apartamentos.

Manter uma rotina é muito benéfico para cães com Disfunção Cognitiva Canina. O dia a dia sem muitas alterações os deixará calmos e tranquilos, amenizando os sintomas. Além disso, é importante manter a rotina de exercícios, porém de forma mais leve para respeitar as limitações do seu idoso.

A melhor idade também merece ser vivida com qualidade pelo seu pet! Veja o vídeo que preparamos para você sobre sobre animais idosos:

Gostou do conteúdo? Então acompanhe outros posts sobre a saúde dos cães:

Compartilhar:

Tags:

Você pode gostar de ver também…

3 Comentários

  1. Julio Pinheiro disse:

    Muito obrigado pelas ótimas dicas.

  2. PEDRO disse:

    Tenho um Daschund macho, com 15 anos 5meses. Faz algum tempo, em torno de seis meses, está apresentando comportamento agressivo, principalmente qdo tem que tomar o remédio para coração. Não aceita medicamentos orais, nem líquidos, cospe fora. Rosna e morde se insistir. Pra que ele tome tenho q disfarçar num pedaço de pão úmido em leite, mas se percebe q tem algo no pão joga fora. Só terapia com injetáveis. Não sei mais o q fazer. O veterinário prescreveu floral, mas ele não toma líquido. Alguma orientação pra lidar com a situação? Grato, Pedro.

    • admin disse:

      Olá, Pedro! Como vai? Sugerimos que não ofereça alimentos humanos para o pet. Além de leite fazer mal, o pão pode conter sal, que não é indicado para dieta de cardiopatas. Tente misturar o medicamento em um pouco de ração úmida do tipo patê. O floral também pode ser adicionado no alimento úmido ou então na água do animal. As latinhas e sachês são muito palatáveis e, por isso, o sabor do medicamento é reduzido. Conte para nós se deu certo e desejamos muita saúde para seu amiguinho!

Deixe o seu comentário