Doença Renal Crônica: silenciosa e perigosa

8 de março de 2019

Saúde e Cuidados
Profissional com luvas higienizando orelha do gato

A Doença Renal Crônica é uma das principais causas de mortes de pets. Ela também acomete cães, mas é especialmente perigosa para gatos. Metade dos gatos idosos sofrem dela ou outros problemas renais.

Além de atingir nossos pets, as doenças renais também são comuns em nós, humanos. São mais de 10 milhões de pessoas sofrendo com a enfermidade. Por isso, a Sociedade Internacional de Negrologia (ISN, sigla em inglês) instituiu em 12 de março de 2006, o Dia Mundial do Rim. A data foi criada para conscientizar sobre os riscos da Doença Renal Crônica, ou DRC.

Vamos conhecer mais sobre esta doença em cães e gatos, tratamentos e formas de prevenção?!

Doença Renal Crônica em gatos e cães

A DRC é muito preocupante, pois é uma doença silenciosa e incurável, que já afeta metade dos gatos idosos brasileiros. Ela é mais comum nos pets com mais de 12 anos de idade e é responsável pela morte de milhares de animais todos os anos.

Apesar de não existir cura para a Doença Renal Crônica, seu controle pode ser feito com sucesso e o pet vive bem por muitos e muitos anos. Para isso, é fundamental que a a DRC seja diagnosticada precocemente, principalmente em seu estágio inicial.

Esse diagnóstico só pode ser feito por um médico veterinário e, por isso, é fundamental fazer visitas periódicas na clínica! Infelizmente, a medicina preventiva ainda não é uma prática tão comum entre os tutores de pets, mas pode evitar diversas doenças graves.

É recomendado realizar o acompanhamento veterinário anual para animais adultos e semestral para aqueles idosos ou se aproximando da fase sênior.

Para adicionar o cuidado na sua ajuda, foi criado o Março Amarelo para reforçar os cuidados com as doenças renais e estimular os tutores a acompanharem a saúde dos seus pets com um veterinário responsável.

Março Amarelo: combate à Doença Renal Crônica em cães e gatos

Além de não ter cura, a Doença Renal Crônica é potencialmente perigosa porque só apresenta sintomas em estágio avançado, quando os rins já estão com cerca de 75% de suas funções perdidas. Por isso, o acompanhamento veterinário é tão importante. Para cães adultos, em que a incidência é menor, visitas anuais com check-up completo estão de bom tamanho, enquanto os idosos devem passar por médicos veterinários a cada 6 meses.

Já para os gatos, que possuem incidência altíssima da DRC, exames anuais devem ser feitos a partir dos 10 anos. Aqueles com mais de 14 anos, devem fazer o check-up a cada seis meses.

Apesar desses períodos ajudarem a oferecer um prazo de segurança para o acompanhamento do seu pet, se você notar qualquer um dos sintomas abaixo, procure um veterinário imediatamente:

  • Perda de peso
  • Ingestão excessiva de água
  • Aumento do volume de urina

Por que os gatos tem mais doenças renais?

As doenças renais são mais comuns em gatos, pois esses pets têm uma certa dificuldade em se hidratar corretamente. Apesar da DRC ser algo relacionado à idade, proporcionar a hidratação adequada ao longo da vida, faz toda a diferença.

Existem três formas muito eficazes de você colaborar para evitar o surgimento da Doença Renal Crônica. A primeira, como já mencionamos, é realizar o acompanhamento veterinário do seu pet todos os anos. Só assim, você conseguirá diagnosticar qualquer doença de forma precoce.

O consumo adequado de líquidos é outra forma de evitar a DRC. Muitos gatos não gostam de beber água no potinho, por isso, oferecer alternativas é uma excelente opção. Use fontes e bebedouros automáticos, que proporcionam água sempre fresca e em movimento para o seu pet.

Outra alternativa para aumentar o consumo de líquidos é oferecer ração úmida junto com a alimentação seca. Além dos gatos adorarem o delicioso sabor, você adiciona líquidos na dieta!

Como diagnosticar a DRC?

Gato com médico veterinário para diganosticar a doença renal crônica

Aumento no consumo de água e na produção de urina, além de perda de peso, são os sintomas mais comuns de doenças relacionadas ao trato urinário. Além disso, outro grupo de sintomas pode ser somado, como a falta de apetite, vômitos, diarreia, constipação e desidratação.

Esses sintomas também podem ser relacionados a várias outras doenças. Por isso, o diagnóstico só pode ser feito após exames de sangue, urina e imagem laudados por um médico veterinário.

A única forma de diagnosticar e tratar a Doença Renal Crônica é levando seu pet para um veterinário.

Tratamento da Doença Renal Crônica

Assim como o diagnóstico só pode ser feito por um veterinário, o mesmo profissional poderá indicar o tratamento adequado. Em casos muito graves, é indicada a fluidoterapia subcutânea, que consiste na aplicação de soro para combater a desidratação.

Ainda existem diversos medicamentos para combater as doenças renais. Além disso, animais com Doença Renal Crônica diagnosticada devem ter a sua alimentação modificada.

As rações renais são desenvolvidas com baixo teor de fósforo, reduzindo a formação de cálculos de oxalato quando a função renal está comprometida. Animais portadores da Doença Renal Crônica não devem se alimentar com rações e petiscos convencionais!

Para saber mais sobre o tratamento e a prevenção da DRC, consulte um médico veterinário.

Quer mais dicas de saúde para o seu pet? Veja os posts que separamos para você: