O uso de fralda para cachorro deficiente é sempre necessário? | Adoções Especiais

11 de janeiro de 2021

Adoção de Animais, Cachorros
Franda para cachorro deficiente caramelo com patas brancas

O projeto Cãodeirante trouxe um dos mitos mais comuns sobre animais deficientes e também um dos que gera mais problemas para esses peludinhos. Você acha que o uso de fralda para cachorro deficiente é mesmo necessário?

Uso de fralda para cachorro deficiente

A Dafne precisa usar fraldas, pois tem lesão medular e não possui controle da bexiga.

Essa é uma das perguntas mais frequentes sobre um pet cadeirante. O uso das fraldas descartáveis está diretamente relacionado à dúvida sobre um cão ou gato deficiente ter ou não a capacidade de urinar sozinho. 

Vemos com muita frequência pessoas dizendo que o animal cadeirante consegue fazer xixi sozinho. Será mesmo? Antes de responder esta pergunta, é importante esclarecer a diferença entre o pet fazer xixi de maneira consciente e a urina sair involuntariamente.

Uma lesão medular, seja por trauma, doenças degenerativas, entre outras causas, compromete a capacidade de urinar e dificulta o esvaziamento da bexiga. Por conta da ligação direta entre a medula e sistema urinário, o pet pode ter mais ou menos controle de urina dependendo da altura da lesão.  Por isso, podem existir três condições de bexiga na lesão medular:

Bexiga flácida

Bexiga flácida é o nome dado à perda involuntária de urina mesmo que a bexiga não esteja cheia, ou seja, o xixi é expelido durante o dia.

Bexiga espástica

Esse segundo caso, consiste em contrações involuntárias da bexiga e o pet sente a vontade de urinar. Um gato ou cachorro com bexiga espástica, geralmente urina apenas quando a bexiga está muito cheia por transbordamento ou quando o tutor faz o esvaziamento mecânico da bexiga, que vamos ensinar daqui a pouco.

Bexiga mista

Apresenta características de bexiga flácida e de bexiga espástica.

Quando olhamos para estes cenários, podemos retornar à pergunta: O uso de fralda para cachorro deficiente é mesmo necessário?

Mais uma vez, vamos deixar a resposta sobre o uso das fraldas mais para frente. Agora, vamos focar se o cão cadeirante faz xixi sozinho. Um pet deficiente não urina voluntariamente e de maneira eficaz sozinho

Ou seja, mesmo que o animal faça xixi, não significa que ele está conscientemente conseguindo urinar e sim, que a bexiga está transbordando ou parte da urina está saindo e outra se mantém no órgão. Já dá até para imaginar que isso pode gerar diversas doenças, não é mesmo?!

“É fundamental termos esta clareza e que possamos disseminar este tipo de informação, pois vemos diariamente pets cadeirantes que são resgatados ou doados por abrigos e protetores com a fala: ‘ele faz xixi sozinho, mas precisa usar fralda’. Compreendemos que a realidade de abrigos não comporta um cuidado exclusivo que um cadeirante demanda e sabemos de todas as limitações, porém é importante se ter consciência da incapacidade urinária do animal para, inclusive, evitar doenças”, explica a voluntária do projeto Cãodeirante Suiane Torres e tutora da cadela Dafne, que não tem o movimento das patas traseiras.

Já sabemos que pets cadeirantes não possuem total controle da bexiga, mas eles precisam ou não usar fraldas?

Fraldas nem sempre são necessárias

Marrom passeando em sua cadeira de rodas para cachorro
Marrom passeando em sua cadeira de rodas para cachorro. Para ele, o uso de fraldas é necessário.

A fralda para cachorro deficiente com a bexiga flácida ou mista normalmente se faz necessária, pois é mais difícil do tutor controlar o esvaziamento. Já nos animais com bexiga espástica, quando o xixi só sai quando o órgão está cheio, o uso do acessório não é necessário.

Nesse segundo caso, o animal deve ter a bexiga esvaziada entre três e quatro vezes ao dia para evitar acidentes e, principalmente, doenças. O não esvaziamento correto da bexiga pode resultar em infecção urinária e problemas renais.

“Podemos utilizar como exemplo o caso do Marrom, cachorro paraplégico que virou inspiração do Projeto Cãodeirante. Ele foi adotado de um abrigo onde viveu por três anos e que não realizava o esvaziamento da bexiga. Por conta disso, ele desenvolveu doença renal crônica”, acrescenta Sophia Porto, idealizadora do projeto Cãodeirante e tutora do Marrom.

A verdade é que pouco se vê este tipo de informação e orientação chegando às pessoas, de maneira que os cadeirantes recebam os cuidados e a atenção que de fato demandam. Os maiores problemas do não esvaziamento da bexiga envolvem aumento das infecções urinárias, distensão da bexiga e doença renal. 

O uso de fralda para cachorro deficiente é um tema importante, mas realizar o esvaziamento da bexiga é fundamental para todos os animais com lesões medulares. Veja o vídeo produzido pelo projeto Cãodeirante e aprenda como esvaziar a bexiga de pet deficiente

Gostou do conteúdo? Confira os outros posts da série “Adoções Especiais: animais deficientes”: