Pancreatite canina: entenda tudo sobre o problema!

Compartilhar:


pancreatite canina

Dores de barriga são bastante incômodas até mesmo para nós, humanos, não é mesmo?! Ainda mais quando acompanhada de diarreia, vômitos, apatia e febre. E com os cães, não poderia ser diferente! Caso o seu pet apresente sinais desse tipo, provavelmente está na hora de levá-lo ao veterinário, afinal, o seu amiguinho de quatro patas pode estar sofrendo de pancreatite canina.

Neste texto iremos explicar mais sobre a doença, então continue acompanhando para entender tudo sobre o problema! Vamos lá?!

O que é a pancreatite canina?

Essa é uma doença bastante grave e que pode trazer muito desconforto ao pet. Segundo Joyce Aparecida, médica-veterinária da Educação Corporativa Cobasi, “a pancreatite é a inflamação da porção do pâncreas responsável pela produção de enzimas que auxiliam na digestão”.

O problema pode surgir por diversos fatores, mas no geral, a doença está relacionada com uma alimentação desequilibrada. Um cardápio rico em carboidratos e gorduras, por exemplo, traz ao cão riscos de desenvolver uma inflamação no pâncreas. 

Resumidamente, além de produzir a insulina, esse órgão também é responsável por liberar algumas enzimas necessárias para a digestão de alimentos. Dessa forma, quando o cachorro ingere uma alta quantidade de gordura ou carboidratos, o pâncreas tem que fazer muito esforço para conseguir dar conta da digestão. Logo, sofre uma séria inflamação.

Existem também outras causas que podem resultar na pancreatite canina. Entre elas, estão doenças sistêmicas crônicas, como o Diabetes mellitus e o hiperadrenocorticismo.

Quais são os principais sintomas?

Justamente por se tratar de uma doença que pode estar diretamente ligada à alimentação do cachorro, um dos sintomas é que as fezes do cão com pancreatite adquiram um aspecto mais aquoso ou com presença de muco e sangue. Além disso, vômitos também são comuns nesses casos. 

“Geralmente, animais com essa enfermidade têm aumento de volume e enrijecimento do abdômen, vômito, diarreia, falta de apetite, desidratação e fraqueza”, informa Joyce. 

A pancreatite em cachorro tem tratamento?

pancreatite canina

“O tratamento envolve a administração de fluídos, que além de garantir a hidratação, também melhoram a circulação sanguínea no pâncreas; o uso de antibióticos, para impedir possíveis infecções oportunistas; analgésicos para o controle de dor; e antitérmicos para o controle da náusea e vômito”, afirma a veterinária. 

Mas antes de mais nada, para conseguir um tratamento eficiente, um diagnóstico exato é fundamental. Portanto, é importante levar o cachorro ao veterinário com bastante urgência. De acordo com a veterinária Joyce Aparecida, “para o diagnóstico da doença apenas a presença dos sintomas é insuficiente, pois eles são inespecíficos (podem surgir em diversas doenças diferentes). Assim, o veterinário consegue um diagnóstico preciso apenas com a realização de alguns exames, como o ultrassom do abdômen, exames de sangue e enzimáticos”.

Além disso, Joyce afirma que também é necessária uma alteração da dieta do animal, pois ele não consegue processar os alimentos de forma adequada. “A dieta deverá ter poucos lipídeos e proteínas e ser rica em fibras (com muitas verduras e legumes). Dependendo do quadro, pode ser necessária também a administração de enzimas digestivas, como amilase, lipase e protease.”

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário