O que é Kokedama e como cuidar

Compartilhar:


Pessoa segurando kokedama na mão

Com origem oriental, mais especificamente japonesa, a Kokedama é um tipo de planta que não precisa de vaso e é muito utilizada na decoração de ambientes.

Ainda não conhece essa curiosa tendência? Vamos explicar como funciona e como você deve cuidar!

O que é a Kokedama?

Traduzindo do japonês, a Kokedama é literalmente uma bola de musgo. Isso mesmo! Essa curiosa plantinha é cultivada em uma esfera composta por raízes, fibras, cascas de árvore e pedras. As mudas são plantada e essa bola de musgo funciona como uma espécie de vaso.

Essa técnica japonesa propõe que as plantas fiquem penduradas sem a necessidade de um vazo suspenso, usando apenas da esfera. Pode parecer muito diferentes, mas esse formato de plantio garante a saúde das mudas e, claro, um ambiente arrojado e moderno.

No Japão, essa técnica é tida como um modelo de arte. Por isso, é comum que cada vez sejam encontrados novos estilos de Kokedama criados com materiais variados, mas sempre com a mesma finalidade: cultivo de plantas suspensas de forma artística.

Como cuidar de uma Kokedama?

Mãos de jardineiro criando uma kokedama?
Cuidar da sua Kokedama não é uma tarefa díficil.

É comum que ao analisar a estrutura da Kokedama, inicialmente tenhamos diversas dúvidas sobre como cuidar da planta que está ali colocada, principalmente quando se pensa na rega. Isso é normal, afinal, estamos acostumados aos vasos tradicionais. Vamos explicar tudo para você!

Uso de fertilizantes e adubos

O primeiro fator é que, os materiais utilizados na composição da Kokedama, já auxiliam como uma espécie de fertilizante para as plantas, por exemplo, lascas de madeira. Vale considerar que esses componentes podem variar conforme a espécie de planta que será colocada. Já vamos falar sobre isso!

Necessidade de rega

Em relação à rega, existem diferentes modelos de cuidado. Entre eles, está a imersão de toda a esfera em um vaso com água por cinco minutos. Depois que escorrer o excesso, ela pode ser suspensa novamente. Esse processo deve ser repetido a cada cinco dias, que é o tempo exato que a maioria das espécies de plantas vão precisar novamente de água. Porém, é importante levar em consideração a plantinha cultivada na sua Kokedama. Suculentas precisam de menos regas e Orquídeas de mais!

Além desse modelo, temos a utilização de borrifadores. Basta colocar água no equipamento e aplicar diretamente na bola de musgo. Apenas algumas plantas podem receber a água diretamente nas folhas.

Incidência solar

O cuidado em relação à exposição das plantas à luz também é algo importante. A quantidade e o tipo de luminosidade recebida pela sua Kokedama varia de acordo com a planta instalada. Isto é, considere se a planta é de pleno sol, sombra ou meia sombra.

Espécies que podem ser cultivadas

Kokedama com planta suculenta pendurada
Escolha as plantas que mais gosta para a sua Kokedama!

Você já deve estar pensando quais espécies podem ser plantadas na sua Kokedama, não é?!

Essa técnica é artística e também inovadora, já que podem ser adaptada a maioria das espécies vegetais. Mas a verdade é que algumas se dão muito bem com o tipo de cultivo, além de criarem uma estética impecável.

Veja a seguir as principais espécies que se dão muito bem com a técnica japonesa:

  • Orquídeas;
  • Kalanchões;
  • Cactos;
  • Marantas;
  • Lambaris;
  • Begônias;
  • Samambaias.

Como destacado anteriormente, é importante considerar que cada uma dessas espécies precisam de materiais específicos para a criação da técnica Kokedama. Por exemplo, orquídeas precisam de fibra de coco como substrato para a absorção certa dos nutrientes.

Entretanto, se você estiver plantando cactos, isso não é necessário, já que pode proporcionar uma absorção muito grande de água, o que não é saudável para essa espécie.

Ficou interessado ou quer ver pessoalmente? Então, corre para uma de nossas unidades e escolha o seu modelo favorito!

Gostou do texto, que tal ler mais sobre? Acesse os artigos abaixo:

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário