Conheça mais sobre os animais sésseis

Compartilhar:


animais sésseis

O reino animal é repleto de criaturas com as mais diversas características. Nesse cenário, os animais sésseis são aqueles estacionários em oposição ao movimento (móvel). Alguns desses animais também prendem os animais vivos, por exemplo, anêmonas anexadas a si mesmas às conchas (emprestadas) de caranguejos eremitas e cracas que se ligam a baleias. 

A realidade é que, entre esses animais, os aquáticos se destacam como sésseis. Por isso, no texto de hoje, focaremos nos poríferos. Afinal, você sabe o que são animais poríferos? Confira este artigo para tirar todas as suas dúvidas!

Saiba o que são animais poríferos

Os poríferos são animais sésseis que habitam no ambiente aquático e que se destacam pela simplicidade de seu corpo, rico em poros. Eles também podem ser chamados de esponjas, uma vez que não possuem tecidos verdadeiros e, portanto, também não possuem órgãos e sistemas.

Esses animais são importantes por serem filtradores, ou seja, eles retiram da água os nutrientes de que precisam para sobreviver. Além disso, vivem tanto em ambientes marinhos quanto em água doce, porém, são marinhos em sua maioria. Podemos considerar que existem mais de 8000 espécies de esponjas, todas consideradas animais sésseis.

animais sésseis

Características dos poríferos

Esse tipo de animal possui na sua estrutura corpórea diversos poros que garantem a entrada da água pelo corpo do animal. Assim, essa característica é muito importante, pois é da água que retiram as partículas orgânicas necessárias para a sua nutrição. 

Esses animais sésseis não apresentam a capacidade de locomover-se, e podem viver sozinhos ou em colônias. Eles também são importantes para a vida marítima com qualidade. Não contam com tecidos, órgãos ou sistemas, e alguns de seus processos fisiológicos são relativamente simples. A digestão desses animais é intracelular, ou seja, ocorre no interior das células.

Conheça os tipos de esponjas

Esse tipo de animal possui grande variedade corporal, ou seja, são assimétricos. Vale ressaltar que alguns deles contam com um arranjo interno simples, outros, no entanto, têm uma organização mais complexa. A realidade é que, atualmente, utiliza-se a complexidade estrutural do corpo das esponjas para classificá-las. Com base nesse critério, temos uma classificação em três tipos:

  • Áscon ou asconoide: sua parede é fina e com poros que se abrem na espongiocele, a qual se abre no ósculo.
  • Sícon ou siconoide: nesse caso, podemos observar dobras nas paredes do corpo do animal, e os coanócitos passam a ser observados em canais radiais e não revestindo a espongiocele, como no tipo áscon.
  • Lêucon ou leuconoide: é o tipo mais complexo de esponja, que se destaca pela grande quantidade de dobras nas paredes do corpo. A espongiocele, nesse grupo, é geralmente reduzida ou não está presente.

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário