Dicas para adestramento de gatos

21 de novembro de 2018

Adestramento de Animais

Por serem independentes, desconfiados e individualistas, os gatos levam fama de insubordinados. Adestrá-los seria um desafio dos grandes, certo? Na verdade, esse é mais um dos mitos acerca dos bichanos, que podem ser “educados” desde que o dono utilize a técnica certa. “Para os cães, um olhar ou o carinho do dono bastam para que eles obedeçam, mas o felino não vai fazer um truque só para satisfazer o humano”, explica a veterinária Carolina Rocha, especialista em comportamento animal. O truque para persuadir o felino é simples: usar algo que ele queira muito.

Pode ser um petisco, um brinquedo ou até mesmo uma situação prazerosa, como um carinho na barriga ou nas orelhas. Ou seja, qualquer condição que funcione como uma recompensa para o animal. “É importante que o reforço seja sempre positivo e o treino mais curto para que ele não perca o interesse”, ressalta Carolina. Punições e violência nunca devem ser usadas, pois podem provocar comportamentos agressivos. Conheça abaixo dicas para adestramento de gatos

Dica 1: Escolha o petisco favorito do seu gato

Para ensinar comandos básicos, como “senta” e “fica”, escolha o petisco favorito do gato. Basta direcionar, bem devagar, a mão com a recompensa por cima da cabeça do gato, até que ele se sente para, então, receber o petisco. repita o comando e a ação até que perceba que ele está habituado. Quando o “senta” já não for novidade, dê início ao treinamento do “fica”.

Funciona assim: uma vez sentado, é só dizer a palavra e se afastar do animal. Se ele permanecer no lugar, é recompensado com o petisco para gatos.

Dica 2: Estabeleça uma meta

Para os bichanos, os benefícios do adestramento vão além do ensinamento de truques. Em muitos casos, o treinamento pode ser utilizado como terapia de modificação comportamental para alguns distúrbios como a agressividade, ou para solucionar questões cotidianas, como a destruição de móveis. “Também é uma oportunidade para proporcionar uma atividade diferente a um bichano hiperativo”, diz a adestradora e consultora comportamental Cassia rabelo Cardoso dos Santos.

Antes de começar é fundamental que quem for adestrá-lo defina o que quer trabalhar com o felino e que reforce a paciência. Os resultados dependem da persistência do dono e da personalidade do gato. “Animais mais abertos a contatos, que mostrem interesse pelos petiscos e que sejam menos medrosos são mais fáceis de adestrar”, explica o adestrador André Poloni, da capital paulista.

Outro comando útil é o desce. “A indução se dá da mesma forma: o gato está num lugar alto e, com a mão segurando os petiscos, o treinador o induz a descer e o recompensa”, explica Cássia. Para ensinar o bichano a aparecer quando é chamado, tome distância dele com um petisco gostoso em mãos. Chame-o e só dê a recompensa quando ele vier. “É preciso também que o gato saiba o que é o ‘não’ em determinadas situações. Isso pode ser feito utilizando a frustração, ou seja, não permitindo que ele alcance o objetivo e entenda que deve se conter”, ensina a adestradora.

Dica 3: Adaptação aos novos integrantes da casa

adestramento-de-gatos-blog

Gatos podem apresentar comportamentos agressivos com a chegada de outro animal ou até mesmo de um bebê. Uma forma de amansá-lo junto ao novo integrante da casa está na recompensa. “uma semana antes, corte os petiscos do gato. Quando o novo indivíduo chegar, dê o dobro de petiscos. Se for um bichinho, coloque uma bolinha do tipo ‘cat eat’ (com alimento dentro) do lado da caixa do novo amigo para que o gato possa fazer uma associação positiva”, ensina Poloni.

Dica 4: O adestramento de gatos colabora ara diminuição do estresse

A interação com os donos em novas atividades pode ser positiva para a saúde física e mental dos gatos. Com o treinamento, é possível reduzir o estresse, que causa doenças como infecções urinárias e problemas de pele. “A ideia de que o animal pode virar um robô com o adestramento é errada e provém daquele conceito de punição. Sabemos que os animais precisam de atividades que, junto com os brinquedos e os locais para explorar, façam um enriquecimento ambiental”, diz a veterinária Carolina Rocha.

Junto com as recompensas, algumas técnicas auxiliam no processo de adestramento. Uma delas é o targeting, que ajuda a guiar o animal até um ponto desejado com um alvo. Toda vez que o gato encosta o focinho no local indicado, recebe a recompensa. Outra técnica comum é o clicker, um marcador sonoro que serve para reforçar o comportamento correto antes da entrega do petisco.

Dica 5: Comece com truques simples e não esqueça de valorizar os avanços

A ideia é ensinar truques? Comece com algo mais simples, como um giro. Coloque o petisco na mão e, delicadamente, posicione em cima da cabeça do felino. Naturalmente, ele vai subir para cheirar. Aos poucos, faça um círculo com a mão para que o pet se movimente. “no começo, ele não precisa girar 360 graus para ganhar o petisco. Valorize cada esforço”, afirma o adestrador. A mesma técnica pode ser usada para outros truques, como tocar a pata na mão do adestrador, pular etc.

Ficou com alguma dúvida sobre adestramento de gatos? Escreva para nós nos comentários!