Fluidoterapia em gatos: tudo sobre o tratamento para insuficiência renal

Compartilhar:


A fluidoterapia em gatos é um procedimento bastante usado por médicos-veterinários para hidratar pets de forma eficiente. Existem diversos métodos de aplicação e diferentes soluções para promover melhora rápida e duradoura.

Apesar de sua eficácia para casos de insuficiência renal crônica, o uso de soro também pode ser benéfico em outras doenças.

Ficou curioso? Então continue a leitura e saiba tudo sobre o procedimento, cuidados e indicações!

O que é fluidoterapia em gatos?

O tratamento chamado fluidoterapia em gatos visa repor fluidos e nutrientes no corpo do animal de forma eficiente e rápida. Além de repor nutrientes e calorias, o tratamento também pode corrigir desidratações em felinos e desequilíbrios eletrolíticos e aumentar a quantidade de sangue circulando pelo corpo.

O procedimento consiste na injeção de soro, seja puro ou com medicamentos, no corpo do animal. Existem vários tipos de fluidoterapia em gatos, que detalharemos a seguir.

Como fazer fluidoterapia no meu gato?

veterinária preparando fluidoterapia para cachorro

A fluidoterapia veterinária deve ser feita somente por um médico-veterinário ou técnico. Isso porque é necessária uma avaliação prévia do animal e, algumas vezes, até a realização de exames. Ademais, também é importante ter atenção à assepsia.

Então para entender um pouco melhor sobre a complexidade da fluidoterapia em gatos, vamos conhecer os três grandes casos em que o procedimento é empregado.

  • Reanimação

Este é o caso mais grave em que a fluidoterapia veterinária é usada e visa repor com rapidez a água e os nutrientes perdidos. Costuma ser eficaz tanto para episódios severos de vômitos e diarreia, até para estados de choque.

  • Reidratação

Complementar para diversas doenças, a fluidoterapia tem uma importante função de repor líquidos e eletrólitos de forma muito mais eficaz do que via oral pela água.

  • Manutenção

Este último caso é muito comum para algumas doenças, como a insuficiência renal crônica. Daremos detalhes sobre ela mais adiante. Aqui, o soro tem a função de manter o gato saudável e estável.

Agora você já conhece as grandes situações em que a fluidoterapia em felinos é usada, certo? Então vamos nos aprofundar sobre os métodos aplicados!

Fluidoterapia subcutânea em gatos

Um dos métodos mais comuns, o soro subcutâneo em gatos é menos doloroso e mais fácil de aplicar. No entanto, sua absorção leva alguns minutos. Esta é uma opção muito usada na fase de manutenção.

Aqui a aplicação do soro ocorre por meio de uma agulha entre a pele e o músculo do animal, formando uma espécie de bolsa que é absorvida aos poucos até sumir completamente.

Via intravenosa

Também bastante comum, mas também mais complexa, a fluidoterapia em gatos via intravenosa só pode ocorrer em ambiente hospitalar e exige assepsia rigorosa.

O soro é colocado diretamente na veia do animal e seu efeito é bastante rápido. Este procedimento é muito comum na fase de reanimação.

Além desses dois métodos, ainda existem aplicações via oral, por exemplo.

Soro para gatos: tipos e quantidade

Além de avaliar o animal e definir o melhor método, o veterinário também precisa determinar qual o tipo de soro e a quantidade segura. Isso porque existem diversos medicamentos que podem ser aplicados na solução para aumentar a efetividade e equilibrar o organismo do animal.

“Meu gato fica estressado durante o soro”

gato com mau halito

Alguns gatos não gostam de manipulação, e mesmo aqueles que adoram podem se sentir incomodados com a agulha e todo o procedimento de fluidoterapia. Por isso, a recomendação é criar um ambiente amigável e fazer o reforço positivo com petiscos e muito carinhos.

Em alguns casos, o tutor pode solicitar que o veterinário faça a aplicação na própria casa. Dessa forma, o gato permanece em seu ambiente, o que colabora para reduzir o estresse.

Fluidoterapia em gatos com problemas renais

A fluidoterapia em gatos é um recurso muito utilizado para dar mais qualidade de vida e tratar a insuficiência renal crônica.

A doença, que é muito comum em gatos principalmente a partir dos sete anos de idade, compromete o funcionamento dos rins em diversos níveis. O mau funcionamento do órgão prejudica a filtragem do sangue, sobrecarregando o organismo com toxinas.

A aplicação de soro com ou sem medicamentos ajuda a hidratar e limpar o sangue e eliminar nutrientes prejudiciais através da urina. Portanto, é bastante comum que gatos com problemas renais façam uma ou mais sessões de fluidoterapia por semana.

Além disso, esses pets precisam de alimentação especial com ração terapêutica.

Fluidoterapia em gatos: preço

check-up em gatos

O preço do procedimento pode variar muito de um lugar para o outro. Além disso, cada animal precisa de uma solução diferente para suprir a sua necessidade de nutrientes e o nível de desidratação.

Assim, recomendamos que procure o seu médico-veterinário de confiança para proporcionar ao seu pet o tratamento adequado e eficaz.

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário