Mix feeding: a mistura de rações seca e úmida

17 de fevereiro de 2021

Cachorros, Gatos
gato cinza e cachorro preto com a língua de fora porque adoram mix feeding

Que um molhinho melhora ou até salva um prato de comida meio sem graça todo humano sabe. A situação não é diferente para cachorros e gatos, que se deliciam (e se beneficiam) com o mix feeding.

Os olhos dos nossos amigos de quatro patas chegam a brilhar quando se deparam com um sachê ou uma lata de ração molhada. E, ao ser misturada ao alimento seco, é quase certo que o prato vai terminar limpinho, sem nenhuma sobra.

É essa prática de juntar os diferentes tipos de rações que leva esse nome chique: mix feeding (ou alimentação mista).

Mix feeding sob medida

Antes de iniciar a mistura de rações seca e molhada, o ideal é observar os costumes alimentares de seu pet.

Há cães e gatos que preferem comer de pouquinho em pouquinho. Nesse caso, se o tutor introduzir a ração úmida à seca e o amigo mantiver esse hábito, então o alimento irá estragar rapidamente ou vai atrair insetos como moscas e baratas.

Por isso, vale a pena testar diferentes maneiras de se apresentar o mix feeding ao pet.

Uma dica é colocar primeiro uma pequena parte da porção seca costumeira junto com um terço do sachê de ração molhada. O cão ou o gato vai demonstrar na hora se gostou da refeição. E, em caso positivo, vai pedir mais! Daí é só incluir o restante da ração molhada no potinho e misturar com a seca. Ele com certeza vai adorar! 

Se ele comer um pouquinho e deixar restos no prato, o ideal é usar só um pouco da ração molhada com parte da seca, e ir colocando aos poucos para o gato ou o cachorro. Para evitar estragar, é importante transferir o restante do sachê ou da lata para um potinho e colocar na geladeira. Não esqueça de sinalizar que nele está comida de gato ou de cachorro!

Alimentação mista fria ou quente

Se o pet não topar de jeito nenhum essa mistura, uma dica que dificilmente falha é aquecer a ração molhada. Primeiro, coloque o conteúdo do sachê ou da lata em um prato que possa ser aquecido no forno de micro-ondas.

Coloque para aquecer por cerca de cinco segundos. Retire e, com o dedo, veja se a ração está morna. Se não, coloque por mais cinco segundos e teste novamente. Quando estiver quentinha, basta misturar com o alimento seco e esperar que seu pet se delicie.

Isso ocorre porque, ao contrário do alimento frio, a ração molhada quente solta diversos aromas dos ingredientes presentes nela, que acabam abrindo o apetite do cachorro ou do gato. 

No entanto, a ração úmida gelada pode ser um ótimo atrativo para os dias de calor!

Benefícios do mix feeding

Além de ser saborosa, a alimentação mista é benéfica para cães ou gatos que bebem pouca água. Isso acontece porque os líquidos presentes na ração molhada ajudam no trato renal e estimulam o organismo a produzir urina.

Dessa forma, o cachorro ou o gato acabam fazendo mais xixi, e, assim, diminuem os riscos de contrair doenças como infecções urinárias, cálculos renais e outros problemas nos rins e na bexiga.

Mas atenção: nunca o molhinho deve substituir a hidratação normal. Se seu pet se recusar a beber água, procure com urgência o auxílio de um médico veterinário, pois isso pode ser sinal de que algo grave se passa com seu amigo.

Combate à falta de apetite

A alimentação mista também é uma ótima opção para os cães ou gatos que torcem o nariz para a ração seca. Em vez de jogar o sachê inteiro no prato, vale colocar só um pouquinho do molho e misturar. Só o cheiro já deve abrir o apetite.

Isso é ideal para o tutor que não quer mimar seu amigo a ponto de ter que comprar sempre sachês de ração úmida para misturar com a seca. Como sabemos, nossos pets se adaptam bem e facilmente às mordomias que proporcionamos.

Posso dar mix feeding em todas as refeições?

Quem quiser juntar as duas rações diariamente e fazer a alegria dos amigos por mais tempo, o ideal é não ir no achismo nem se deixar levar pela cara pidona dele.

As rações molhadas podem ter menos nutrientes por porção, o que exige quantidades maiores do alimento. Basta ver no verso das embalagens dos alimentos molhados quanto da comida é indicado por dia.

Já as rações secas de qualidade possuem a quantidade certa de vitaminas e de nutrientes necessários para o bem-estar do animal, além de serem bem mais calóricas que as molhadas.

Assim, a introdução de qualquer novo alimento à dieta comum pode levar seu bicho a engordar e, assim, apresentar problemas de saúde mais tarde.

Por isso, o mix feeding pode se tornar um hábito alimentar sim, mas deve ser feito da forma adequada e com acompanhamento de um médico veterinário. Apenas um profissional poderá equilibrar as quantidades e indicar a ração úmida ideal para dar aquele toque especial à refeição.

Cuidado com a obesidade

Por isso é que é importante se buscar o auxílio do médico veterinário, se possível de um especializado em nutrição. Esse profissional vai indicar quanto de ração seca misturada com a molhada que deverá ser dada ao cão ou gato por dia. Ao aumentar a quantidade de alimento, você oferecerá mais do que o animal precisa e ele poderá ficar com sobrepeso.

Além disso, ele irá recomendar a melhor maneira de se introduzir a mistura de rações. Alguns pets são especialmente sensíveis a mudanças na alimentação, e podem passar mal.

Cuidado com a higienização do potinho!

Após servir a comida, o tutor deve sempre limpar o comedouro. Isso porque as sobras quase invisíveis de ração mista apodrecem e causam odores desagradáveis aos pets, levando eles a rejeitar um alimento que seja colocado lá. Além disso, atraem insetos e existe a propagação de microorganismos que podem adoecer seu bichinho.

Aprenda como higienizar o comedouro do seu pet.

Alimentação natural

Mix feeding é bem diferente de alimentação natural, que é o uso de comidas que não passaram por nenhum processo (como carnes, vegetais e frutas) para encher a pança do seu pet.

Apesar dos cães e gatos adorarem, essa alimentação natural só deve ser introduzida com auxílio de um veterinário. Isso porque há alguns ingredientes que fazem mal para a saúde dos nossos bichos. Além disso, as quantidades necessárias para nutrir o pet da maneira correta variam muito de alimento para alimento.

“Quando alimentamos o animal com uma ração de qualidade e na quantidade correta para o peso dele, as quantidades de vitaminas presentes na ração geralmente são suficientes para suprir as necessidades, salvo exceções”, completa Lysandra Barbieri, médica veterinária da Educação Corporativa da Cobasi.

Por isso, vale lembrar do seguinte: quem quiser cozinhar para o cachorro ou para o gato deve necessariamente procurar a orientação de um médico veterinário.

Gostou desse conteúdo? Saiba mais sobre alimentação de animais em nosso blog: