Por que o pinscher é tão bravo?

1 de abril de 2021

Cachorros
Por que o pinscher é tão bravo?

Existe muita gente por aí que carrega má fama sem merecer, não é? Com os cachorros não é diferente, e o pinscher costuma ser um dos mais afetados por essas “calúnias”.

Muito conhecidos como bravos, zangados e até agressivos, o cachorro pinscher, na verdade, só está tentando proteger tudo aquilo que mais ama: sua casa, sua família e o seu território.

O pinscher pode ter uma certa zanga, sim, mas totalmente justificada

O pinscher pode ter uma certa zanga, sim, mas totalmente justificada

Você já ouviu alguma vez a expressão “não mexa com quem está quieto”? Pois ela poderia facilmente ser o lema dos cachorros da raça pinscher. Dificilmente um pinscher vai atacar uma pessoa ou outro cachorro “do nada”. O que pode acontecer é o pinscher reagir dessa maneira se sentir que está sendo ameaçado ou, pior, que estão ameaçando seu tutor. Aí, sim, esse pequenino vai virar uma fera.

Essa, inclusive, é outra característica muito marcante da raça: apesar de ser pequeno, o pinscher é um cão destemido, que não aceita desaforos e não foge da briga, independentemente do tamanho do adversário.

Pinscher: um pequeno grande protetor

Pinscher são excelentes cães de alarme. Isso significa que tê-los por perto é garantia de receber avisos sonoros – ou seja, latidos – quando algo ou alguém diferente estiver rondando a casa.

Para evitar latidos em excesso, ou nos momentos errados, é fundamental fazer um bom processo de socialização do pinscher desde que é filhote, assim como ensinar comandos básicos (ou complexos, depende da sua intenção), durante o adestramento.

Assim, seu amiguinho peludo vai conseguir entender e diferenciar situações em que vocês estão apenas recebendo a visita de um amigo e quando outro cachorro está somente “existindo” do outro lado da calçada de quando houver, de fato, uma ameaça para a segurança de vocês.

Como deixar um pinscher mais tranquilo

Como deixar um pinscher mais tranquilo

A raça pinscher é conhecida por ter uma energia que parece não acabar nunca. Como acontece com qualquer animal, se essa energia não for canalizada para algo positivo, o resultado certamente será o desenvolvimento de comportamentos desagradáveis, como latidos em excesso e sem motivo, destruição de móveis e objetos da casa, xixi e cocô fora do lugar, agressividade e muito mais.

Para evitar que essas coisas aconteçam com o seu cachorro, ofereça muitas e variadas maneiras de mantê-lo entretido, tanto física quanto mentalmente. Brinquedos, jogos, atividades, passeios – vale tudo para gastar a bateria do seu cão e deixá-lo mais tranquilo e menos propenso a ataques de ansiedade, que podem se manifestar em forma de agressão.

Existem traços genéticos na raça que são inegáveis e que exercem um grande papel nesse comportamento “nervoso” do pinscher. Mas, acredite, há maneiras de treinar seu cão para que ele lide melhor com as mudanças, seja de ambiente, de pessoas ou de animais.

O melhor que você pode fazer, tanto para si mesmo quanto para o seu cãozinho, é buscar a ajuda de um adestrador. Esse profissional tem técnicas que, quando colocadas em prática e com regularidade, são capazes de conectar você ao seu cão para que ele se sinta tranquilo e seguro, e sem necessidade de manifestar sua ferocidade a todo momento. Experimente! Com dedicação e comprometimento da sua parte, os resultados podem ser surpreendentes.

Confira mais alguns artigos selecionados para você: