8 Dicas para viajar com o pet

26 de dezembro de 2018

Saúde e Cuidados

Expert em viagens com animais, o administrador de empresas Gustavo Vivacqua, autor do site Viagens Maneiras (www.viagensmaneiras.com), já rodou o mundo com seus cães. Tapa – um labrador “esculhambado”, como brinca o dono – se tornou o companheiro de viagem dele. Em dois anos, eles praticamente deram uma volta ao mundo de carro: foram a 46 países. Para quem quer começar as andanças com o parceiro peludo, Vivacqua indica a Europa e os Estados Unidos como destinos ideais. “O Primeiro Mundo é muito “pet-friendly” e fica fácil se hospedar e passear. Na Itália, por exemplo, você pode andar de metrô e de ônibus com seu animal”, diz. Entre os piores lugares para os cães, está o Oriente Médio – países como Arábia Saudita, Jordânia e Síria. Se o destino estiver no Brasil, ele recomenda locais com muito verde.

Com a chegada das férias de final de ano, é hora de arrumar as malas e cair na estrada. Quem tem animais de estimação sabe que, para eles, esse período de alegria e descanso pode ser sinônimo de estresse e ansiedade. Afinal, muitos sofrem com a falta da família que viaja ou têm dificuldade de se adaptar aos cuidadores temporários. Melhor desistir do passeio? Nem pensar.

Uma possível solução para esse dilema é levar o pet na viagem. Além de proporcionar lazer para os mascotes, conhecer novos horizontes ajuda a estimular a capacidade de socialização deles e estreitar a relação entre os peludos e seus donos. “Hoje em dia, o pet faz parte da família, então por que deixá-lo fora das viagens? esse será um momento de maior interação com o animal, de trabalhar o controle e a confiança”, diz a turismóloga Larissa rios, fundadora do turismo 4 Patas, que promove atividades de lazer para donos e seus filhotes.

Antes de colocar os pés – e as patas – na estrada, é importante atentar para algumas medidas sanitárias. independentemente do tipo de transporte que será usado na viagem, o proprietário do bicho de estimação deve ter sempre à mão a carteira de vacinação em dia. Em viagens de ônibus e avião, é necessário também um atestado de saúde emitido por um médico-veterinário.

Outros itens indispensáveis para uma viagem segura são: uma coleira com dados de identificação, ração suficiente para todos os dias de passeio, petiscos, comedouros e medicamentos básicos. “É importante fazer uma mala que contenha tudo o que o animal precisa, gosta ou poderia precisar em uma situação emergencial”, explica a médica-veterinária Elaine Pessuto.

Pelas estrada ou pelos Ares

Se a viagem for aérea, é preciso seguir as normas, exigências e tarifas de cada companhia aérea – elas disponibilizam essas informações em suas páginas na internet. como a maioria das empresas só transporta na cabine animais com peso entre 5 e 10 quilos (incluindo a caixa de transporte), os pets grandes precisam viajar no compartimento de carga.

Vale ter atenção na hora da escolha da caixa de transporte – que deve ser grande o sufi ciente para o mascote dar uma volta completa no próprio eixo – e do horário do voo, para minimizar o estresse de permanecer muito tempo em contenção. em determinados casos, o veterinário pode indicar um sedativo para que o bichinho não sofra com o confinamento prolongado. Já nos passeios de carro, o animal não pode ir solto.

Assim como os outros passageiros, ele precisa ser preso por cintos especiais ou ficar dentro de caixas de transporte. “aconselho a condicionar o animal a viagens de carro, levá-lo a lugares diferentes, desde filhote”, diz a médica-veterinária Adriane Tomimassu. Apaixonada por animais, a gerente jurídica Cristina de Fiori segue a técnica indicada pela especialista. Há dois meses, começou a levar o labrador Otto, de 4 meses, para sua fazenda no interior de S ão Paulo e para Campos do Jordão. “Costumo associar as viagens com coisas boas, como oferecer algum tipo de petisco para ele saber que viajar de carro tem recompensas. O que também ajuda bastante é dar um floral formulado para tranquilizar”, indica.

Além do transporte, as viagens para o campo pedem atenção por conta da incidência de ectoparasitas – principalmente se o local serve de pasto para animais como cavalos e bois. Picadas de insetos também são comuns e podem ser evitadas com repelentes naturais à base de citronela.

O seu destino é o litoral?

Os melhores horários para passeios ao ar livre ou são o início da manhã ou o final da tarde, quando há menor incidência de sol, pois, assim como os humanos, os animais também podem sofrer queimaduras ou mesmo adquirir câncer de pele. Oficialmente animais de estimação não são permitidos em nenhuma praia do litoral brasileiro, embora a circulação seja rotineira.

Se acaso o animal entrar no mar, será necessário dar um banho com água doce para tirar o sal marinho. Depois, é preciso secar bem os pelos para evitar fungos e os ouvidos para prevenir a otite. Seguindo essas recomendações o passeio tem tudo para ser um sucesso.

8 Dicas para viajar com o Pet

  1. Verifique a saúde do seu bicho de estimação antes de viajar e o mantenha com uma coleira identificada
  2. Escolha um roteiro de viagem adequado ao perfil e à presença do mascote
  3. Proteja-o do sol em excesso, de pulgas, carrapatos e mosquitos
  4. Mantenha a rotina habitual dele em relação a alimentação e necessidades básicas
  5. Reforce a hidratação, dando água no máximo a cada duas horas
  6. Em viagens de carro, programe paradas – em geral a cada duas horas – para que o pet possa se exercitar e fazer suas necessidades
  7. Alimente-o de duas a três horas antes da viagem para evitar mal-estar e enjoos
  8. Nunca deixe o bicho de estimação no carro fechado, nem solto dentro do veículo

    Por POR BIANCA DONATTO, para Revista Cobasi #07

Ficou com alguma dúvida para hora da viagem com o  seu pet?

Escreva um comentário pra gente!