Saúde e Cuidados: Alergia em pets tem tratamento!

4 de julho de 2019

Saúde e Cuidados

Você já observou o seu pet se coçando e com a pele avermelhada? Ele pode estar com alergia, um sintoma muito comum na clínica veterinária.

A alergia é uma condição em que o sistema imunológico reage de maneira anormal a um estímulo externo, ou seja, é uma reação multifatorial. Existe também a dermatite atópica, uma condição genética crônica em que há ausência da barreira de proteção da pele, o que provoca uma perda de água frequente gerando ressecamento desta pele que se torna susceptível a entrada de microorganismos.

E o que causa a alergia? Ela pode ser desencadeada principalmente por produtos de limpeza utilizados na higienização do ambiente e pertences do pet, cosméticos utilizados no banho, temperatura da água e secador, e até mesmo pela lâmina da máquina de tosa. Plantas, pólens, alimentos diversos e picadas de insetos também estão entre os principais indutores de alergia.

Não temos como prever se o pet será alérgico ou não. Assim como ocorre com os humanos, os sinais surgem apenas após a exposição do pet ao alérgeno, mas sabemos que existem raças predispostas a estes quadros, tais como Buldogue, Pug, Pit Bull, animais de pele clara (Poodle, Maltês, West Terrier, Scottish Terrier) e Retrievers (Golden e Labrador).

E como podemos saber se o pet está com alergia?

Os sinais envolvem sempre a coceira, podendo estar acompanhada de vermelhidão, descamação e áreas edemaciadas com formação de feridas contendo ou não pus. Há também sinais de lacrimejamento, espirros e tosse normalmente de caráter seco. Em alguns casos de alergia, o pet passa a mudar o seu comportamento tornando-se mais cansado e agressivo por causa do incômodo no local acometido, e nos casos mais graves também pode apresentar mutilação e inchaço generalizado.

Atualmente estima-se que 40% dos pets no Brasil tem algum tipo de alergia, e a tendência é de que esta porcentagem aumente cada vez mais devido a manejos ambientais e alimentares inadequados, fatores genéticos perpetuados, cruzas indevidas, e falta de orientação dos tutores.

É muito importante que o pet seja consultado logo nos primeiros sinais de alergia, onde será realizada uma triagem de exclusão dos possíveis alérgenos. Sempre pontuo que é necessário ter paciência e completa adesão ao tratamento prescrito, pois muitas vezes o diagnóstico e melhora clínica pode demorar mais tempo do que o esperado, mas nem por isso deve-se desistir do tratamento.

Sendo assim, não deixe de procurar o médico veterinário de sua confiança periodicamente para garantir o melhor tratamento e conforto ao seu pet!

Caroline Bettini – Médica Veterinária
CRMV-SP: 26569
S Pet Teodoro Sampaio