Cachorro com medo de fogos: o que fazer?

Compartilhar:


cachorro com medo de fogos

Um cachorro com medo de fogos com certeza teme festas de final de ano, afinal, é uma tradição da época este tipo de comemoração. Além disso, outros momentos são propícios para a prática, como casamentos e celebrações no geral, o que é ainda pior para os bichinhos que não se dão bem com rojões.

Latidos, tremedeira, agitação e buscas por esconderijos são alguns indicativos claros de que seu cachorro pode estar com medo dos fogos de artifício. Em cenários assim, é importante tomar uma atitude para amenizar a tensão do bichinho.

Qual o perigo de um cachorro com medo de fogos?

O medo de rojões e fogos de artifício pode ser extremamente desconfortável para os animais. Um cachorro, por exemplo, tende a fugir do lugar e, em momentos assim, a vida dele acaba em risco caso escape para a rua.

No mais, existem casos de animais que pulam janelas, ficam presos em lanças e grades ou ainda se machucam gravemente com móveis que caem sobre eles. Não são poucos os casos de ataques cardíacos e machucados graves que acontecem quando o animal está extremamente assustado e estressado.

Os riscos são diversos, por isso separamos dicas de como ajudar seu pet a se acalmar durante as festas.

Por que cachorros têm medo de fogos?

Antes de mais nada, vamos entender porque os cachorros têm medo de fogos de artifício. O primeiro ponto é que a audição dos cães é mais apurada do que a nossa, ou seja, eles escutam timbres que nós nem percebemos. Dessa forma, o barulho para cachorro é bem mais contrastante. Aliás, esse é o motivo pelo qual seu pet sabe que você abriu um pacote de biscoitos mesmo sem estar na cozinha.

Além disso, outro fator bastante incômodo para os animais, são a grande quantidade de luzes que as explosões geram. A iluminação acaba atrapalhando a visão do animal e deixa o bichinho atordoado.

Complementando, ainda não podemos esquecer que determinadas raças se mostram mais medrosas por conta da sua genética. É o caso de pets como os Whippets, Dálmatas e Chihuahuas.

Então agora que você já sabe dos perigos relacionados e os motivos pelos quais um cachorro com medo de fogos entra em desespero, vamos às soluções?

O que fazer com o cachorro com medo de fogos?

Acostumar o pet com algum ruído é um processo gradual e que precisa começar brevemente. Afinal, se o mesmo adquirir trauma do barulho é mais difícil de reverter.

Uma das melhores formas de acostumar o cão com os sons é através do reforço positivo, uma das táticas de adestramento, que vamos falar a seguir. O cachorro com medo de fogos deve ser recompensado com petiscos e também com o seu alimento preferido.

Porém, para essa técnica ter resultado, ela deve ser feita durante dias e muito antes da queima de fogos de artifício. Leve em conta que o bichinho não vai aprender de primeira, são semanas de treinamento.

Reforço positivo para medo de fogos

Pegue seu celular, um punhado de petiscos e separe um tempo para realizar o adestramento. Comece oferecendo alguns petiscos e fazendo carinho para agradá-lo. Através do seu celular, coloque uma trilha sonora com barulho de fogos de artifício, mas com o volume baixo. Com certeza ele vai estranhar, mas calma. Ofereça mais guloseimas e faça muito carinho.

Repita esse treinamento por vários dias e sempre que perceber que o cachorro não se incomoda mais com o som, aumente um pouco o volume. No dia dos fogos de artifício, repita o treinamento associando aquele barulho com coisas boas para o cão.

Desvie o foco do seu amigo

Outro método, que também pode ser complementar ao reforço positivo que ensinamos acima, é o desvio do foco. O cachorro com medo de fogos pode ser envolvido em brincadeiras e atividades que o distraiam, como ao utilizar brinquedos interativos com dispenser de comida. Faça o treinamento diário também usando sons das explosões e aumentando a altura gradativamente, sem pressa.

O ideal é continuar até você notar que o animal continua se sentindo bem com os barulhos. Caso ele já esteja traumatizado com os ruídos, para acostumá-lo o procedimento será o mesmo, no entanto, é necessário um pouco mais de paciência, pois você precisa desenraizar o medo.

Prepare o ambiente

Cães se sentem seguros no seu próprio espaço e isso ajuda nos momentos de tensão e estresse. Primeiro, garanta a segurança do pet, eliminando rotas de fugas, fechando janelas e portões. Em conjunto, tenha certeza que ele está com uma coleira com placa de identificação para evitar problemas. Por fim, mantenha o animal na guia.

Uma dica é não deixar o cachorro com medo de fogos sozinho no momento do barulho. Tenha em mente que a sua companhia é a maior ajuda que ele pode ter. Se for inevitável, garanta que portas e janelas estão fechadas, e que não existe o risco de móveis e outros itens caírem sobre o animal caso ele tente fugir.

Florais e terapias

Para completar o treinamento, existem os calmantes para cachorro com medo de fogos que são naturais.

Os florais para cachorro são compostos de flores com efeito terapêutico. Eles podem ser auxiliares no adestramento para animais com medos excessivos e traumas. Você também tem à disposição outros produtos, como o Adaptil. O item auxilia na adaptação de cães em situações adversas através de um odor sintético semelhante ao de uma cadela com seus filhotes. O acessório espalha o cheiro pelo ambiente e é imperceptível para humanos, tornando o ambiente mais reconfortante para os cães.

Dica de amarração para cachorro com medo de fogos

Ao procurar por termos como “cachorro fogos” e “cachorro medo de fogos”, verá que uma técnica bastante utilizada pelos tutores é a da faixa. A seguir vamos contar como funciona, assim você consegue testar com o seu amigo!

O primeiro passo é escolher uma faixa, você pode usar de tecido normal ou até ataduras. Depois, posicione na altura do peito do animal e cruze as pontas por cima, na região do dorso.

Em seguida, com as pontas já cruzadas, passe as duas pontas sob o dorso, de forma que ambas ficarão embaixo do corpo do cão. Por fim, leve-as para cima novamente, cruzando, e faça um laço para amarrar.

A indicação é testar o uso da faixa ao invés de esperar por uma situação de estresse, isso porque o pet tem que se acostumar e entender que ela é benéfica. Sendo assim, faça em momentos calmos utilizando os sons de fogos do celular para ver a reação dele.

E o que não fazer?

Uma atitude que deve estar clara para qualquer tutor de pet é que eles percebem os sentimentos com certa facilidade. Desta forma, não pareça ansioso e preocupado, passe tranquilidade para o bichinho.

Em conjunto, dê espaço (seguro) para o animal caso ele fique sozinho, pois ele buscará o ambiente que se sente melhor para ficar. De forma alguma deixe o cão preso, afinal, no desespero, as chances dele se machucar com a coleira ou correntes é enorme.

Outra recomendação é não tentar protegê-lo falando com voz carinhosa, pegando no colo e bajulando, afinal, você está aumentando a proporção do momento

| Atualizada em

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário