O que é choque séptico em cães e gatos?

4 de março de 2021

Saúde e Cuidados
cachorro com choque séptico

O choque séptico é um agravamento que deve ser evitado a todo custo, visto que as chances de um animal vir a óbito são grandes. Porém, para discutir sobre o tema, é importante entender o que causa o choque e quais os cenários que podem levar para um quadro tão grave como esse.

Descubra como acontece o diagnóstico das doenças relacionadas à sepse e como a evolução da patologia pode colocar em risco a vida do bichinho.

Sepse, sepse grave e choque séptico

O primeiro estágio é a sepse, conhecida como síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SRIS) ou infecção generalizada. Ela é desencadeada por uma contaminação por fungos, vírus, bactérias ou protozoários. 

De forma mais técnica, a infecção consegue passar por todas as barreiras do organismo e impactar o tecido e a circulação. Desta maneira, os macrófagos identificam o complexo e repassam a infecção para outros receptores que ativam mecanismos intracelulares. É neste momento que acontece uma produção descontrolada de citocinas.

Para comprovar o quadro, o animal tem que apresentar outros sintomas, como febre, calafrios, falta de ar, baixa produção de urina e alterações em exames de sangue.

Já a sepse grave, que é ainda mais preocupante que o estágio inicial, combina o comprometimento de um ou mais órgãos do bichinho. E por fim, o choque séptico, o estado mais crítico da sepse. O cenário se dá por conta da queda da pressão arterial, uma situação de emergência, que pode levar à falência múltipla dos órgãos. 

Quais as principais doenças que podem causar choque séptico?

gato com choque séptico

A saúde do seu animal de estimação é coisa séria, por isso ressaltamos com frequência a importância de procurar um veterinário em qualquer situação.

Nos cachorros, a peritonite, que consiste na perfuração da parede abdominal, é um dos problemas-chaves que podem levar ao choque séptico. Entre outros casos estão doenças gastrointestinais, enterotomias e infecções uterinas.

Nos gatos, a ocorrência maior é em relação a patologias hepáticas, bactérias presentes na circulação, pneumonia, pancreatite séptica e meningite.

Qual o tratamento adequado para recuperar a saúde do pet?

Se um quadro delicado como o choque séptico atinge o animal, o tratamento deve ser criterioso com antibióticos e associações, de ordem emergencial, com internação e acompanhamento médico. Por isso, se perceber qualquer sintoma no animal, leve-o até um veterinário.

As principais áreas de atuação para estabilizar o bichinho é controlar a infecção, estabilidade da circulação sanguínea, recuperação do sistema imunológico e suporte endócrino.

A sepse e seus estágios, com destaque para o mais complexo deles, o choque séptico, são problemas infelizmente frequentes nas salas de urgência. O tempo é valioso para cenários assim, pois quanto antes a sepse for identificada, menor a chance dela evoluir.

Por aqui, temos uma certeza, a vida do seu pet é uma só! Por isso cuide do bichinho da melhor forma possível, ou seja, se ele não estiver bem, consulte um veterinário para entender o que está acontecendo. É dessa forma que você diminui as chances de passar por situações graves como o choque séptico, uma situação clara de risco para a vida do seu melhor amigo.

Vem ler mais sobre os cuidados com o seu pet no blog Cobasi: