Lipidose hepática felina: tudo sobre a doença do fígado gordo

Compartilhar:


um gato com lipidose hepatica felina

A lipidose hepática felina é uma doença que vem impactando com frequência a vida dos gatos. Mas, afinal, você sabe o que é e como atuar na prevenção dessa doença? Hoje convidamos o médico-veterinário da Cobasi, Marcelo Tacconi, para explicar os riscos da patologia que também é conhecida como “doença do fígado gordo”.

Vem saber como garantir a saúde do seu bichinho e quais são os primeiros sinais do problema aos quais você deve estar atento!

O que é a lipidose hepática felina e suas causas?

Segundo o médico-veterinário do time Cobasi, Tacconi, a LHF, sigla para a patologia, é uma doença que acomete o fígado dos felinos e se caracteriza pelo acúmulo de gordura no órgão. Ou seja, o triglicérides do animal sobe bruscamente em mais de 70% das células hepáticas.

Causas da doença

lipidose hepática felina

Por mais que os problemas no fígado sejam maiores em gatos com uma dieta desregulada e acima do peso, o especialista comenta que existem outras causas. “Ao contrário do que muitos pensam, para o gato ter essa doença ele não precisa necessariamente estar obeso. Este acúmulo em excesso é comum de acontecer em gatos que ficam um longo período sem se alimentar ou que passam por circunstâncias que interfiram na rotina do animal, causando estresse.”

Quando esses pets ficam muito tempo em jejum (mais de 12 horas), o organismo metaboliza gorduras para a produção de energia. No entanto, o fígado não consegue dar conta do processo e sofre infiltração. É aí que os sinais clínicos começam a aparecer.

Além disso, gatos abandonados também têm maiores chances de desenvolver a doença em comparação aos gatos caseiros, afinal, eles sofrem com problemas de nutrição durante toda a vida.

Por fim, certas patologias podem estimular o desenvolvimento da lipidose hepática felina, como hipertireoidismo, diabetes e cardiopatias. Por isso, esteja sempre em dia com as consultas veterinárias e faça exames de check-ups para garantir o bem-estar do bichinho.

Sinais clínicos da lipidose hepática

É prestando atenção aos sintomas da lipidose hepática nos gatos que você protege seu amigo, visto que casos graves podem levar o animal a óbito. Por isso, se presenciar qualquer mudança no comportamento do pet, leve o felino ao veterinário. Os sinais mais comuns da doença são:

  • perda de peso;
  • apatia;
  • região dos olhos ou da pele amarelada;
  • vômitos;
  • diarreia;
  • falta de apetite.

Como a doença é diagnosticada?

gato sendo examinado para lipidose hepatica felina

É muito importante que o diagnóstico para lipidose hepática felina aconteça precocemente. Ele pode ser feito através de exames de sangue, físico e ultrassonografia.

Além disso, também envolve análise de alterações clínicas e histórico de anorexia prolongada, ou outros fatores que causam desequilíbrio emocional no felino. De todo modo, como dito anteriormente, é muito importante estar atento à rotina de cuidados do pet para entender se está tudo bem com sua saúde ou não.

Qual é o tratamento para lipidose hepática felina?

Após constatar que o seu pet tem problemas no fígado, o veterinário vai indicar o melhor tratamento para ele. De acordo com Tacconi, o tratamento consiste em uma combinação de intervenções: “O tratamento é feito, normalmente, com fluidoterapia, dieta correta (normalmente pobre em carboidratos), suplementação nutricional e medicamentos que ajudam nos sinais clínicos”.

É possível que o profissional também indique a administração de uma ração hepática para gatos, dependendo do grau de evolução da doença e do nível de desconforto do animal.

Não existe tratamento caseiro para lipidose hepática em gatos. Sendo assim, evite receitas caseiras, porque elas podem piorar o estado do felino. Ao primeiro sinal de mudanças no comportamento, leve o bichinho no veterinário.

Como evitar o problema

lipidose hepática felina

A melhor forma de evitar problemas no fígado do felino é através de uma boa alimentação associada a uma rotina de exercícios físicos. Ambos mantêm a saúde do animal em dia, já que auxiliam na manutenção do peso ideal, no combate ao estresse e aumento da imunidade.

Portanto, cuide bem da alimentação diária do seu bichinho de estimação e observe a condição corporal do animal. São pequenos detalhes, como petiscos em excesso e restos de comida, que podem levá-lo à obesidade, que vai de encontro a doenças como a lipidose hepática felina.

A recomendação é investir em uma ração de qualidade, não submeter o pet a situações de estresse constante e nunca deixá-lo muito tempo sem comida. Qualquer dúvida, você deve procurar o veterinário para não ter problemas futuros.

Brincadeiras diárias vão ajudar o pet a manter a boa forma. Invista em brinquedos, como bolinhas, arranhadores e varinhas, assim seu animal de estimação fica livre da lipidose hepática e outras doenças!

Marcelo Tacconi de Siqueira Marcos

Colaboração de Marcelo Tacconi de Siqueira Marcos

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário