Cistite em gatos: o que é, como prevenir e tratar

Compartilhar:


A cistite em gatos é uma doença no trato urinário, que causa muito incômodo e dor no bichinho. Além disso, ainda pode ter consequências graves e pode atingir gatos de todas as idades e raças.

Essa é uma doença bastante comum nos felinos e alguns cuidados podem ajudar a preveni-la. Vamos conhecer sobre o assunto?

O que é a cistite em gatos?

Antes de mais nada, é importante saber o que é a doença. A cistite felina é uma inflamação na bexiga, órgão do sistema urinário que serve como reservatório de urina.

Apesar de muitas pessoas confundirem, cistite e infecção urinária em gatos são duas doenças diferentes! Enquanto a cistite em gatos é uma inflamação exclusiva da bexiga, a infecção urinária pode acometer diferentes partes do trato urinário, como rins e uretra.

Causas da cistite felina

Também chamada de cistite idiopática felina, a doença pode ter diversas causas, mas as mais comuns são:

  • contaminação bacteriana, viral ou parasitária;
  • sistema imunológico fragilizado;
  • doenças pré-existentes, como diabetes;
  • tumores;
  • cálculos.

No caso da contaminação bacteriana, os micro-organismos que habitam o ânus do animal migram para a uretra, chegam até a bexiga e começam a se proliferar. Em animais com o sistema imunológico comprometido, como aqueles que estão passando por tratamento contra o câncer, e os que fazem uso de cortisona, a cistite pode acontecer com mais facilidade também. Outras doenças, como diabetes e pedra na bexiga, favorecem o surgimento da cistite.

Além disso, até mesmo o estresse pode colaborar para o surgimento da cistite em gatos. Isso porque animais sem qualidade de vida podem ter a imunidade reduzida, ficando mais suscetíveis à doença.

Ainda existem os fatores de risco que aumentam a incidência da cistite felina. Entre eles, estão:

Sintomas da cistite em gatos

Como acontece a cistite em cães e gatos

Animais doentes dão vários indicativos comportamentais de que algo não vai bem. Por isso, fique sempre atento ao comportamento do pet para reconhecer quando algo estiver diferente do normal e ajudá-lo o quanto antes.

Os principais sintomas são:

  • mudança de comportamento provocada pela dor: o pet fica desconfortável, chora e resmunga;
  • xixi em maior frequência e no lugar errado, como se não aguentasse segurar até chegar no lugar certo para urinar;
  • urina com cor escura, cheiro forte e, às vezes, sangue;
  • se colocar na posição para fazer xixi, mas não sair nada;
  • emitir sons e demonstrar dor ao urinar;
  • febre, falta de apetite e prostração, que é quando o animal fica deitado boa parte do tempo, indisposto.

A maior parte das doenças que acometem cães e gatos têm altíssimas chances de serem curadas com um diagnóstico precoce, o que se aplica, também, à cistite. Por isso, ao menor sinal de sintomas físicos ou mudanças comportamentais, leve o seu pet ao veterinário.

Cistite em gatos: tratamento

Antes de indicar o tratamento, o veterinário realizará exames como ultrassonografia e exame de urina para ter um diagnóstico. O tratamento deve ser prescrito pelo profissional e costuma combinar antibiótico, analgésico e anti-inflamatório para cistite em gatos.

Além do remédio para cistite em gatos, é possível que o veterinário indique o consumo de alimentos específicos para animais com distúrbios do sistema urinário, e ainda recomende o aumento da ingestão de líquidos.

Prevenção

Prevenir é sempre o melhor remédio, e a prevenção da cistite em gatos está ligada à manutenção do peso adequado e à ingestão adequada de líquidos.

Sendo assim, para evitar o surgimento de cistite no seu gato, mantenha água limpa e fresca sempre à disposição. Em épocas de mais calor, troque a água mais de uma vez por dia e mantenha o bebedouro sempre protegido do sol direto.

Mas, além disso, é claro que temos algumas dicas para estimular o consumo hídrico: instale uma fonte de água para gatos e ofereça ração úmida!

A fonte para gatos deixa a água em movimento, sendo mais atrativa para o pet. Já os sachês e latas possuem uma concentração maior de líquidos, aumentando a hidratação do dia.

Ademais, a higienização da caixa de areia também é muito importante para evitar contaminação com bactérias. Por isso, faça uma limpeza bem completa e mantenha também o local onde o pet dorme, come e costuma deitar para descansar sempre limpo, organizado e bem cuidado. Além de contribuir para a higiene de maneira geral, um ambiente tranquilo promove bem-estar. Como já vimos, este é um fator importante para manter doenças oportunistas afastadas dos seus amigos peludos.

Mantenha as vacinas em dia e realize consultas regulares com o veterinário, afinal, um sistema imunológico fortalecido pode fazer muita diferença.

Você ainda tem dúvidas? Deixe as suas perguntas nos comentários.

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

1 Comentário

  1. Marcia disse:

    Muito boa as orientações sobre cistite.

Deixe o seu comentário