Dirofilariose canina: descubra tudo sobre o verme do coração

| Atualizada em

Por Cobasi

Compartilhar:
Lulu da Pomerânia com estetoscópio para texto sobre dirofilariose

A dirofilariose é uma doença muito perigosa que pode até levar cães à morte. Mais conhecida como verme do coração, a dirofilariose canina é uma zoonose cardiopulmonar. Animais acometidos pela doença têm parasitas instalados no órgão cardíaco dificultando e até impossibilitando o seu funcionamento.

Além disso, a dirofilariose em cães possui maior incidência nas épocas mais quentes do ano e são muito comuns em animais que vivem ou viajam à passeio para regiões litorâneas de todo o Brasil.

Por isso, se você viajar para a praia com o seu pet, mesmo que apenas uma vez, precisa ter alguns cuidados.

Como um cachorro contrai dirofilariose?

O verme do coração é transmissível a partir de um endoparasita chamado Dirofilaria immitis. Ele se aloja no coração dos cães quando atinge sua fase adulta, suprimindo seu funcionamento. A transmissão da v ocorre por meio da picada de mosquitos contaminados, como o Aedes Aegypti.

Quando um mosquito pica um animal infectado, ele ingere as microfilárias, como são chamadas as larvas em seu primeiro estágio. Assim, o inseto passa a ser um hospedeiro intermediário da doença por aproximadamente duas semanas.

Essas larvas vão se desenvolvendo e migrando pelo organismo do mosquito, quando passam a ser transmitidas por meio das picadas. Sendo assim, quando um cachorro é picado, as larvas vão para a corrente sanguínea do animal e se alojam no tecido subcutâneo e muscular do pet.

Elas se tornam jovens adultas em cerca de 3 a 4 dias e passam a migrar pelo corpo do cãozinho até chegar ao coração, onde se alojam no ventrículo direito e nas artérias pulmonares.

Lá elas atingem a maturidade sexual e podem acasalar, liberando novas microfilárias na corrente do hospedeiro e assim, começar um novo ciclo.

Quanto maior o número de larvas, mais perigoso para o cãozinho e para os outros animais.

Sintomas do verme do coração

A dirofilariose é uma doença silenciosa e, por isso, se torna ainda mais mortal. Após atingirem a vida adulta, as larvas demoram em torno de 6 a 8 meses até chegarem na corrente sanguínea periférica. Isso dificulta a detecção da doença e permite que os sintomas não sejam tão aparentes de imediato, se confundindo com várias outras causas.

Além disso, a dirofilariose canina se torna mais grave de acordo com a quantidade de vermes que o animal possui. Por isso, o diagnóstico é muito complicado quando o cachorro está com essa terrível doença, já que a maioria dos cachorros fica assintomático quando é infectada. Os sintomas surgem após meses e até anos, quando a doença já está avançada.

De acordo com a progressão da doença, fica mais fácil identificar os sintomas, que são:

  • Perda de peso
  • Fraqueza
  • Intolerância ao exercicio
  • Taquipneia (respiração acerada)
  • Dispneia (respiração rápida e curta)
  • Tosse 

Os sintomas mais graves são quando há maior presença de vermes nas artérias pulmonares, resultando na hipertensão pulmonar. Essa condição leva à insuficiência cardíaca congestiva direita e normalmente é fatal.

A doença fica clinicamente mais evidente quando os vermes estão suprimindo as funções vitais do animal e, por isso, causam os sintomas. Esta é uma doença que a sobrevida do animal está diretamente ligada à necessidade de prevenção.

Dirofilariose: tratamento e prevenção

cachorro branco tomando remédio para verme do coração
Fazer a vermifugação periódica e utilizar coleiras repelentes são formas de prevenir o verme do coração

Quanto mais rápido a dirofilariose for diagnosticada, maior serão as chances de um tratamento eficaz e da salvação do bichinho. Para isso é importante realizar alguns exames para identificar a presença do parasita no corpo do animal. Apenas um médico veterinário pode avaliar o pet clinicamente e solicitar as amostras laboratoriais.

O tratamento para o verme do coração, geralmente é feito com adulticidas e microfilaricidas, medicamentos específicos para matar as larvas e as microfilárias. No entanto, esses recursos terapeuticos só podem ser realizados em cachorros com as condições físicas adequadas, uma vez que os medicamentos podem causar embolia devido ao grande número de vermes mortos nos órgãos do animal.

Quando ocorre a síndrome caval, ou seja, o bloqueio da veia cava por conta dos vermes mortos, é recomendado uma cirurgia para a remoção dos vermes adultos. Embora exista um tratamento para a dirofilariose, ele é altamente complicado e arriscado e, por isso, a melhor forma de evitar a contaminação é prevenindo a doença. Para isso é importante sempre oferecer vermífugos

específicos para verme do coração antes de levar o animal para a praia. Entre os princípios ativos mais usados, está o Praziquantel.

Como complemento à vermifugação, é fundamental sempre que viajar para esses locais de maior índice de transmissão do parasita, fazer a aplicação de repelentes próprios para os cachorros.  Além disso, não se esqueça de também usar repelentes para a casa. Uma opção muito efetiva é a coleira antipulgas com repelente.

Outra dica importante para evitar a proliferação de mosquitos que podem ser transmissores, é eliminar o acúmulo de lixo e água parada no quintal de casa. Portanto, se atente a esses cuidados!

Vamos revisar os cuidados com seu pet para evitar o verme do coração?

  • Faça a vermifugação periódica com o medicamento indicado por seu médico veterinário
  • Utilize repelentes e coleiras antipulgas que repelem mosquitos para evitar a contaminação
  • Faça visitas periódicas ao médico veterinário do seu pet
  • Utilize repelentes no ambiente
  • Evite o acúmulo de lixo e água parada

Prevenir é o melhor remédio para manter seu cachorro protegido contra o verme do coração. Caso perceba qualquer um dos sintomas, procure um médico veterinário e relate informações importantes, como viagens, e frequência no uso de antipulgas e vermífugos.

Agora você já sabe tudo sobre a dirofilariose, formas de prevenir e como tratar, leia mais dicas sobre cachorros em nosso blog:

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário