Fisioterapia para cachorro: alívio de dores e reabilitação

Compartilhar:


pet fazendo fisioterapia para cachorro

A fisioterapia para cachorro é um tema constante para os tutores desses animais, visto que traz diversos benefícios para o pet e ajuda na recuperação de casos clínicos de ortopedia, neurologia e condições gerais. Por isso, que tal saber mais sobre esta ciência que pode auxiliar seu amigo e até mesmo dispensar a necessidade de uma possível cirurgia?

Neste artigo vamos te explicar de que forma a fisioterapia para cachorro faz a diferença na vida do seu bichinho de estimação. E então, vamos lá?!

Como funciona a fisioterapia para cachorro?

O exercício explora os movimentos do corpo e, no caso dos animais, ajuda em cenários de condições tanto genéticas como traumáticas. Dessa forma, a cada sessão a atividade ajuda na recuperação de movimentos e no alívio da dor.

Os principais objetivos da fisioterapia para cães são:

  • aliviar dores;
  • melhorar processos de cicatrização;
  • prevenir patologias;
  • acelerar a recuperação de lesões;
  • melhorar ou manter o condicionamento físico dos pets;
  • corrigir problemas de postura.

Entretanto, para realizar a fisioterapia, é importante a presença de um veterinário que conheça o caso do pet e possa auxiliar no trabalho do fisioterapeuta. Na lista de possibilidades estão exercícios com pranchas, bolas, esteira, natação e hidroesteiras.

Os tutores podem acompanhar os pets?

Na maioria das vezes, a presença do tutor inclusive ajuda o cachorro a se sentir mais confortável durante a fisio. Porém, é fundamental discutir sobre a personalidade do bichinho, pois alguns ficam extremamente agitados na presença do tutor.

Fisioterapia para cachorro: preço

Se você tem dúvidas sobre quanto custa a fisioterapia para cachorro, saiba que o valor varia de acordo com diversos fatores. O valor de uma sessão só deve ser estipulado após a avaliação e o diagnóstico correto do problema.

Além disso, também deve-se considerar a complexidade do tratamento: aparelhos utilizados, tempo de cada sessão e progresso do pet. Por isso, o preço pode variar para mais ou para menos, de acordo com a técnica prestada e o local de atendimento.

Quando a fisioterapia para cachorro é recomendada?

animal fazendo fisioterapia para cachorro na piscina

Agora que você sabe como funciona a fisioterapia para cachorro, vamos falar sobre os casos mais frequentes que levam à recomendação da atividade pelo veterinário.

Problemas ortopédicos: animais que sofreram fraturas, ruptura de ligamento ou possuem displasia coxofemoral, luxação de patela, artrite e artrose.

Problemas neurológicos: traumas na coluna, como hérnia de disco, sequelas de doenças como a cinomose ou lesões na medula espinhal.

Alterações corporais: obesidade, malformações, hipotireoidismo, velhice e pós-operatório.

Além disso, o cão também precisará de fisioterapia em outros casos, como:

  • fraqueza;
  • distensões e lesões musculares;
  • tendinite;
  • tratamento de doenças endócrinas, como diabetes;
  • reabilitação de patologias neurológicas;
  • atrofia muscular secundária e outras patologias.

Quais são as vantagens da fisio para cachorro?

A fisioterapia para cachorro com displasia ajuda a reduzir os sintomas da doença e a fortalecer a musculatura, por exemplo. Em outros casos, como cirurgia, os exercícios auxiliam na recuperação dos movimentos. Veja outros casos em que a fisio traz benefícios!

  • Obesidade: aumenta o gasto calórico e ganho da massa muscular.
  • Fisioterapia para cachorro com cinomose: reabilitação dos movimentos e qualidade de vida.
  • Velhice: o tratamento ajuda a aumentar a expectativa de vida, na prevenção de doenças e no alívio de dores.
  • Ruptura de ligamento: pode adiar ou evitar procedimento cirúrgico.

Por quanto tempo o cachorro precisa fazer fisioterapia?

Uma decisão como essa só pode ser tomada pelo veterinário que acompanha o caso clínico do pet. Além disso, há casos em que a recomendação da atividade pode durar o resto da vida, dependendo do quadro do animal e da recomendação do médico.

Um cachorro sênior pode ter uma qualidade de vida melhor se realizar exercícios terapêuticos, por exemplo. No mais, cães com sequelas da cinomose e perda dos movimentos só têm a ganhar com atividades frequentes que estimulem o físico e também a parte mental do bichinho.

Por fim, em conjunto com todos esses exercícios, é essencial que o cão tenha uma alimentação balanceada. Afinal, é através do alimento, cheio de nutrientes e vitaminas, que o organismo dele consegue se fortalecer.

Como fazer fisioterapia no meu cachorro?

A reabilitação doméstica é muito recomendada para dar continuidade ao tratamento do cão em casa. No entanto, o tutor deve conversar com o médico-veterinário responsável para descobrir quais exercícios e boas práticas podem ser seguidas em casa. Sempre verifique o que pode ser feito ou não. Dessa forma é possível melhorar o bem-estar do pet e incentivar uma evolução mais rápida.

Principais técnicas utilizadas

fisioterapia para cachorro

Existem diferentes técnicas de reabilitação, cada uma com indicação para um problema específico do pet. Apesar de somente um profissional poder indicar qual é a técnica ideal para o seu pet, não é demais conhecermos algumas delas. Sendo assim, vamos pontuar alguns casos a seguir.

Hidroterapia

Uma das mais conhecidas e utilizadas, a hidroterapia é realizada dentro d’água. Ela é recomendada no tratamento de patologias, lesões ortopédicas e neurológicas. Além disso, auxiliar nos seguintes fatores:

  • redução de peso;
  • aumento da circulação;
  • relaxamento muscular;
  • mobilidade e fortalecimento muscular.

Laserterapia

Muito utilizada durante o pós-operatório, possui efeito analgésico e anti-inflamatório através da emissão de laser. Assim, o tratamento pode substituir o uso de medicamentos ou auxiliar seu efeito no alívio das dores.

Eletroterapia

Na eletroterapia utiliza-se correntes elétricas para tratar dores, estimular e fortalecer a musculatura e criar contrações musculares, sobretudo no caso de cães que perderam massa muscular.

Termoterapia

Pode ser feita através da aplicação de bolsas frias ou quentes. A indicação de bolsas frias vale para controle de inflamações agudas e em pós-operatórios. Já as bolsas de calor tratam dores crônicas e facilitam terapias, como é o caso do ultrassom, por exemplo.

Ultrassom

Comum no pós-operatório de cirurgias ortopédicas, auxilia o reparo de tecidos e o processo anti-inflamatório em casos de doenças como, por exemplo, a artrose.

Acupuntura

Feita através da utilização de agulhas, alivia dores e melhora o equilíbrio muscular dos pets.

Cinesioterapia

É um conjunto de exercícios terapêuticos e alongamentos focados na reabilitação do animal, com o uso de bolas, pranchas de equilíbrio e pistas de obstáculos.

Massoterapia

A massoterapia ajuda a diminuir a tensão dos músculos. Como é relaxante, aumenta a sensação de bem-estar e, dessa forma, interrompe a dor. Além disso, a técnica libera nódulos que causam dor, melhora a circulação de sangue, auxilia a oxigenação e aumenta a drenagem linfática e venosa.

Magnoterapia

É realizada através do uso de campos magnéticos que pulsam e, dessa forma, tratam dores crônicas ou agudas.

Ozonioterapia

A ozonioterapia usa gás ozônio com ação bactericida e bacteriostática. Assim, auxilia a liberação de oxigênio nas células dos tecidos corporais e diminui dores e o processo inflamatório.

Contudo, não se esqueça de que a escolha da técnica ideal para o tratamento do seu pet deve ser feita por um médico-veterinário.

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário