Ansiedade por separação: causas e soluções

20 de setembro de 2018

Comportamento Animal
ansiedade-de-separacao-caes
Ansiedade de separação pode causar diversos comportamentos indesejados

A publicitária Meryellen Mello e o marido, o administrador Ricardo Mello, decidiram ter um cachorro há seis anos. Optaram pela raça Beagle mesmo depois de serem alertados sobre a possibilidade de lidarem com comportamentos comuns da espécie, como ansiedade e agitação. A pequena Uma entrou para a família com apenas três meses de vida e as dificuldades logo começaram.

“Ela era hiperativa desde filhote e mordia tudo. Quando saíamos para o trabalho, ficava em casa sozinha e isso piorou a situação. Achamos que passaria rápido, mas até hoje ela não gosta de ficar só”, conta Meryellen.

A lista de objetos devorados só crescia: cortinas, armários, sofás, livros e até dinheiro. Para resolver a situação, os donos tentaram várias técnicas. Deixavam a televisão ligada o dia todo e colocavam músicas específicas para acalmar cães, mas não funcionou.

Os brinquedos espalhados pelo apartamento também não surtiram efeito. Chegaram, inclusive, a pedir para o porteiro passear com a pet diariamente e nada deu certo. A publicitária ainda se lembra dos estragos da última vez em que Uma ficou sozinha.

“Ela comeu os armários da cozinha e do banheiro e tudo que havia dentro deles: temperos, esmaltes, remédios, sabonetes. Precisou ficar em observação sob o risco de passar por uma cirurgia. Depois desse dia, decidimos deixá-la em creches para cachorros e o comportamento dela mudou completamente. Como brinca o dia todo, volta para casa bem mais calma”.

Os problemas enfrentados pelo casal são comuns e indicam um quadro de ansiedade de separação.

Ansiedade de separação em cães

A ansiedade de separação está cada vez mais presente nos cães e se manifesta quando o animal se sente ameaçado ou estressado pela ausência de convívio social. Além de ficar sozinho, a privação do convívio social se dá na pouca interação com os donos e passeios muito curtos ou inexistentes. Mudanças drásticas na rotina também podem contribuir para a ansiedade canina.

O problema pode atingir cachorros de qualquer raça e as consequências são bem parecidas com as que acontecem com os seres humanos.

“Quando estamos ansiosos, perdemos o raciocínio e ficamos agitados. Com o animal, ocorre o mesmo. Ele começa a dar sinais de um processo agônico e passa a demonstrar atitudes que não tinha até então”, explica Jorge Kachan, médico-veterinário.

Ansiedade de Separação em gatos

ansiedade-de-separacao-gato
Gatos também têm ansiedade de separação

Os gatos também podem ter ansiedade de separação. Apesar de mais independentes e tolerante à ausência dos tutores, os gatos também precisam de interação e atenção. Os gatos em sofrimento passam a praticar comportamentos compulsivos ou destrutivos. Entre os mais comuns estão parar de comer, fazer xixi fora da caixa de areia e arranhar móveis e objetos da casa.

No caso dos gatos, a ansiedade provocada pela separação é agravada pelo ambiente. Por isso, o enriquecimento ambiental é fundamental para que seu gatinho tenha saúde e bem-estar.

Meu bichinho tem ansiedade de separação?

O primeiro passo para saber se seu cão ou gatinho tem ansiedade de separação é observar atentamente o comportamento do pet.

A ansiedade de separação pode causar diversos comportamento indesejados. Em cães ela se manifesta como:

  • lambeduras em excesso e autoflagelação
  • latidos constantes
  • perseguição da cauda
  • roer e destruir itens da casa

Em gatos, a ansiedade de separação se manifesta como:

  • mudanças no apetite
  • agressividade
  • arranhar móveis e objetivos da casa
  • urina e fezes fora da caixa de areia
  • miados excessivos
  • lambeduras em excesso e autoflagelação

A autoflagelação, por exemplo, é comum nesses casos e acontece quando o animal se lambe demais a ponto de causar machucados nas patas e no corpo. Engolir o ar, fazer as necessidades fisiológicas fora do lugar, falta de apetite e excesso de apatia, de agressividade ou de agitação também são razões para que os donos fiquem alertas.

Como evitar a ansiedade de separação em cães?

ansiedade-de-separacao-cao-gato

O primeiro passo é avaliar se seu cãozinho está recebendo atenção suficiente, se não fica muitas horas sozinho ou se passeia poucas vezes ao dia. Essas atividades estão diretamente ligadas ao bem-estar do seu pet e devem ser priorizadas pelo tutor.

A ansiedade de separação acontece, entre outras razões, porque o cão tem medo de ser deixado sozinho. Para amenizar esse sofrimento, a dica é ensinar que a ausência dos donos é temporária e não definitiva.

Ausência temporária

O treinamento consiste em fingir que você vai sair. Portanto, siga a mesma sequência de ações que costuma despertar reações negativas no cão. Coloque o casaco, pegue bolsas e chaves, mas permaneça no ambiente. Repita o procedimento até que ele deixe de ficar agitado.

O próximo passo é repetir a sequencia de ações, mas desta vez deixar o ambiente por alguns minutos. Você pode ir até o térreo, a garagem ou até a esquina. Repita o treinamento diversos dias. Dessa forma, o pet compreenderá que sua ausência é temporária.

Além das melhorias na rotina do seu pet e do treino de ausência temporário, separamos algumas outras dicas para você ajudar seu cãozinho com o comportamento indesejado. Confira:

  • Isole-se por alguns minutos em um cômodo diferente. O animalzinho precisa entender que sua atenção não é totalmente dedicada à ele.
  • Evite fazer festa ao sair ou chegar em casa. Só interaja quando o animal estiver calmo. Isso demonstra que sua ausência não deve ser encarada como um evento importante.
  • Ignore-o! Isso mesmo! Algumas vezes ao dia, não olhe, fale ou toque no seu cãozinho.
  • Só brinque quando o cão estiver calmo. Quando ele levar uma bolinha ou outro brinquedo, espere que o cãozinho se acalme e comece a brincar sozinho. Além de não colocar ansiedade na atividade, você vai estimular seu pet a brincar mesmo quando estiver sozinho.
  • Estimule o uso de brinquedos com dispenser.

Como evitar a ansiedade de separação em gatos?

Apesar de mais independentes, os gatos também precisam de atenção e atividades para manter a saúde e o bem-estar. Evite longos períodos ausente e quando estiver em casa, separe momentos de brincadeira e carinho exclusivos para seu pet.

A preparação da casa também é muito importante para seu pet. Gatos possuem diversos comportamentos instintivos e a casa deve ter os elementos necessários para ele desenvolver suas habilidades e relaxar. Certifique-se que seu gato tem locais para escalar e descansar nas alturas. Ofereça torres e arranhadores para ele se divertir e exercitar. Brinquedos, caminha e, é claro, as caixas de areia são outros itens fundamentais para o enriquecimento ambiental do espaço.

Aprenda tudo sobre gatificação e ofereça um ambiente mais agradável e saudável para seu gatinho.

Além disso, você podee fazer alguns treinamentos para evitar a ansiedade de separação. Confira:

  • Isole-se em um cômodo diferente por alguns minutos. O animal tem que entender que não pode ficar perto todo o tempo.
  • Durante o dia ignore-o em alguns momentos. Não olhe, fale ou toque no seu gatinho.
  • Ao sair de casa ou chegar, evite despedidas ou fazer festa para seu gatinho. Espere que ele se acalme para fazer carinho.
  • Estimule o uso de brinquedos interativos e do arranhador. A erva para gato, ou catnip, é ótima para ajudar nesse trabalho.

Medicamentos e florais

A ansiedade de separação está diretamente ligada às atividades diárias do animalzinho. Se mudanças não forem feitas em sua rotina, ele não vai melhorar. No entanto, alguns animais podem precisar de atendimento de um médico veterinário para indicação de tratamentos com medicamentos.

Além disso, os florais podem dar suporte para essas melhorias equilibrando e acalmando o animal. Alguns deles são indicados para comportamentos específicos, como lambedura e ansiedade.

A ansiedade de separação indica que o animal está em sofrimento, portanto, se não conseguir resolver com nossas dicas, é importante procurar um especialista comportamento animal ou um médico veterinário.

Ainda tem dúvidas? Deixe sua mensagem nos comentários!

Separamos outros textos sobre comportamento animal para ajudar você a oferecer uma rotina mais saudável e agradável para seu pet. Confira:

*Este conteúdo é uma adaptação da reportagem publicada na Revista Cobasi #09 e desenvolvida por Geisa d’Avo.