Pássaro azul: o famoso saí-bicudo

Compartilhar:


pássaro azul em cima da árvore

Uma das belezas da natureza certamente é o pássaro azul, uma ave que se destaca por sua cor contrastante em meio ao verde das florestas e matas. Além de ser conhecido pelo apelido, que está diretamente ligado aos seus atributos físicos, o Dacnis cayana, nome científico do pássaro, também é chamado de azulego, saí-bicudo e saí-bico-fino, por exemplo.

Conheça mais sobre essa espécie, suas particularidades e se a criação doméstica é legalizada pelo IBAMA. 

Pássaro azul: presente de norte a sul

O Brasil tem sorte, visto que o saí-azul se espalha por todos os estados do país, além de outros da América do Sul, exceto terras chilenas e uruguaias. Adepto das florestas e matas, o pássaro adora sobrevoar os rios, além disso está sempre se aventurando pelos jardins em lugares mais afastados.

Em relação ao ciclo de reprodução, o pássaro azul costuma pôr de 2 a 3 ovos que ficam incubados por cerca de 2 semanas pela fêmea do casal. Uma curiosidade é que o macho está sempre a postos e observando o perímetro durante o período de incubação. 

A maturidade dessa espécie começa com 12 meses. Contudo, eles se tornam independentes muito rápido, visto que os pais deixam os filhotes após mais ou menos um mês após o nascimento. 

Quais as características do passarinho?

A cor exuberante do pássaro azul é uma das suas características mais fáceis de recordar. A ave, de bico curto e pontudo, mede 13 centímetros e poucas gramas. Os tons das penas variam bastante entre macho e fêmea. Enquanto elas se destacam pelo verde e a parte superior na cor azul, os machos têm o azul e preto predominantes.

Para as pessoas curiosas sobre ninhos de pássaros, esses pequenos seres fabricam suas casas com fibras vegetais, fininhas e frágeis.

A alimentação do saí-azul

pássaro azul sentado no telhado

No seu habitat natural, o pássaro azul tem preferência por frutas. Suas preferidas são o mamão, goiaba, banana e também outras menos conhecidas, contudo comuns no seu dia a dia, como as da árvore tapiá.

O néctar das flores é alimento dos beija-flores, mas também desse pequeno passarinho. Inclusive, outra característica em comum é a busca por comedouros de frutas. No mais, insetos pequenos entram para a alimentação da espécie.

O pássaro azul pode ser criado em cativeiro?

A criação dessa espécie é legal pelo IBAMA. Entretanto, as aves ornamentais precisam de cuidados especiais e deve acontecer uma regulamentação pelo órgão competente, incluindo anilha de identificação. 

Sendo assim, dentro da rotina do pássaro azul, considere o básico para sua qualidade de vida. Entre os tópicos, preste atenção na alimentação adequada, com ração específica para aves, um viveiro amplo, elementos como poleiros, comedouros e bebedouros. Este é um passarinho que não gosta de frio e vendo, então o lugar necessita de proteção.

Da mesma forma que o saí-azul é uma das riquezas da fauna, outros pássaros também possuem suas peculiaridades e belezas. Que tal aprender mais sobre eles? Veja só os conteúdos sobre aves que temos no blog da Cobasi:

Por Cobasi

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário