Periquitos

18 de maio de 2018

Aves

 

Quem são

Os periquitos possuem bicos curvos, com os dedos na formação clássica de 2 x 2, ou seja, um par voltado para frente, e outro para trás simetricamente – pertencendo à Ordem dos Psittaciformes. A Família é a Psittacidae, com espécie denominada Melopsittacus undulatus, em que a tradução em grego tem o significado de “papagaio melodioso” e “ondulado”, respectivamente.

Origem

São originários da Austrália, e o habitat neste país é caracterizado por áreas desérticas e semiáridas. Os periquitos possuem o hábito de voar em bandos gigantescos, sempre à procura de água e de sementes de gramíneas, seu alimento base na natureza. O que chama a atenção é que fazem realmente muito barulho nos ares, possivelmente para se localizarem e avisarem uns aos outros sobre predadores.

A história diz que os primeiros a descreverem os periquitos foram dois naturalistas, George Shaw e Frederick Nodder, em meados do século XIX. Porém, apenas em 1840, John Gould, um ornitólogo (estudioso de pássaros) trouxe essas espécies para Inglaterra. Depois de 10 anos, essas aves já eram muito populares, por serem facilmente criadas em gaiolas. Atualmente, o periquito é considerado um dos animais de estimação mais conhecidos e queridos do mundo, atrás apenas do cão e do gato.

Originalmente, essa ave possui uma coloração verde clara, depois houve variações de cor para amarelo, e por fim, azul celeste. Encontramos duas nomenclaturas, o periquito australiano e o inglês. Vale ressaltar que ambas pertencem a mesma espécie Melopsittacus undulatus, porém o inglês é uma variação do australiano – com porte significativamente maior e com penas mais chamativas.

Esses animais possuem uma proeminência na parte superior do bico denominada “cera”, que pode ter uma coloração azulada ou amarronzada, inclusive sendo utilizado este recurso para definir se o periquito é macho ou fêmea.

Expectativa de vida

A expectativa de vida dos periquitos é variável, na natureza chegando a 20 anos, e em cativeiro uma média de 8 a 10 anos. Um peso também bastante oscilante, entre 22 e 40 gramas, com comprimento de 18 a 22 centímetros.

Alimentação

São aves que se alimentam preferencialmente de sementes na natureza, tais como painço, alpiste, aveia, níger, sorgo, girassol e etc. A alimentação também pode ser realizada a base de ração, e mistura de sementes, complementada com farinhada, legumes e frutas.

Ambiente

Vivem muito bem em gaiolas, que devem ser de metal – evitando sempre as de madeira, pois há o risco de eles destruírem esse material. Os poleiros devem ter a espessura adequada para encaixar de maneira anatômica em seus pés evitando artrites e artroses, além de estarem dispostos sempre de um jeito que não fiquem sobrepostos – para evitar com que defequem nos poleiros ou mesmo em outras aves que estão localizadas abaixo. São muito bem-vindos brinquedos, espelhos e o bica pedra dentro da gaiola, para aumentar a interatividade e bem-estar destes animais.

Reprodução

Podem formar casal para a vida toda, constroem seus ninhos em cavidades das árvores na natureza. Já em gaiolas são disponibilizados ninhos artificiais geralmente de madeira, ocos por dentro, com uma entrada para sua locomoção. Botam em média de 4 a 6 ovos por postura, que demoram em média 18 dias para eclodir. Os períodos mais propícios para reprodução são na primavera e verão.

Convívio

Consideradas aves de contato, os periquitos são extremamente dóceis e fáceis de amansar, podendo ficar nas mãos e ombros das pessoas, inclusive de algumas crianças.

Também aprendem truques, como assobiar, se mostrando versáteis para serem ótimas opções de animais de estimação. Adoram tomar banhos, então, pode ser oferecido (com cautela) uma pequena banheira de plástico com água em dias quentes.

 

Conteúdo desenvolvido pelo time de Educação Corporativa da Cobasi