Doença do carrapato: Saiba prevenir e tratar

| Atualizada em

Por Cobasi

Compartilhar:
cachorro se coçando

A doença do carrapato nada mais é do que uma enfermidade causada por este parasita, que pode acometer tanto os animais quantos os humanos, causando fraqueza, anemia e até insuficiência renal.

Contudo, existem dois tipos diferentes de doença do carrapato, a babesiose e a erliquiose ou, como também é chamada, erlichiose. As duas são infecções que atingem as células do sangue e que são transmitidas pelo carrapato Rhipicephalus sanguineus.

Os hemoparasitas transmitidos por carrapatos infectados causam prejuízos às células sanguíneas dos animais, por isso, esta é uma doença considerada grave e que pode levar o animalzinho ao óbito se não tratada a tempo. 

No entanto, tanto a babesiose, quanto a erliquiose são de fácil prevenção. Basta manter o medicamento antipulgas e remédio para carrapato sempre em dia.

O que são carrapatos?

Os carrapatos são pequenos parasitas da família dos aracnídeos, eles agem como ectoparasitas hematófagos, ou seja, se alimentando do sangue de animais vivos ou pessoas. 

Quando atacam os animais, eles podem causar muitos desconfortos, sua picada pode causar, dor, coceira e até transmitir doenças, como é o caso da babesiose e erlichiose

Existem mais de 800 espécies de carrapatos, que causam diferentes doenças e podem acometer cães, cavalos e, é claro, humanos, por isso, é fundamental estar sempre atento e buscar meios de prevenção.

Conheça alguns tipos de carrapatos:

Com tantos tipos de carrapatos, é importante saber que nem todos eles atingem os cães,  existem duas famílias de carrapatos que são mais comuns em animais domésticos: ixodidae e argasidae

Os carrapatos da família Argasidae, são muito encontrados nos cães e costumam ser conhecidos por carrapatos de orelha, uma vez que eles costumam ficar alojados nestas cavidades. 

Já a família ixodidae possui cerca de 600 carrapatos diferentes, que são conhecidos como carrapatos duros e podem transmitir diversas doenças para os animais. 

Os carrapatos dessa família são os mais comuns nos animais de estimação e certamente você já ouviu falar deles: carrapato-estrela e carrapato-vermelho-do-cão

Essas espécies são mais encontradas em áreas de vegetação, como matas, grama ou pastos e sua reprodução acontece no meio do ano, em meados de julho. Eles são responsáveis por carregar diversas doenças que podem acometer os pets: 

  • Babesiose canina
  • Erliquiose canina
  • Doença de Lyme
  • Anaplasmose
  • Tularemia

Sintomas da doença do carrapato

Apesar da transmissão ser feita apenas por carrapatos contaminados, a presença desse pequeno aracnídeo no cão ou gatinho pode levantar as primeiras suspeitas. 

O carrapato sobrevive se alimentando de sangue de diversos animais e, apenas por isso, já deixa o hospedeiro debilitado, podendo causar anemia e até paralisia, uma vez que os hemoparasitas podem afetar a medula óssea.  

Quanto ao parasita está contaminado com babesiose e erliquiose, é possível observar outros sintomas.

Tanto a erliquiose quanto a babesiose, as chamadas doenças do carrapato apresentam sintomas clínicos parecidos

Veja os principais sintomas da doença do carrapato:

  • coceira
  • apatia
  • febre
  • animal prostrado
  • mucosas com coloração reduzida
  • escurecimento da urina causada por insuficiência renal aguda
  • manchas avermelhadas e hematomas
  • sangue na urina ou nas fezes

Em casos muito graves, podem ocorrer sangramentos espontâneos, evidenciados por manchas avermelhadas no corpo do animal. Além disso, o animal pode perder sangue pelo nariz, fezes ou urina.

A severidade dos sintomas da doença do carrapato vai depender de diversos fatores e características do animal, como a raça, idade, alimentação, doenças concomitantes e do tipo de cepa dos hemoparasitas.

Após a mordida do carrapato contaminado, a Ehrlichia ou Babesiose entra no organismo do pet, e atinge as células do seu sistema imunológico. Assim se inicia três fases da doença, sendo elas aguda, subclínica e crônica.

Conheça as fases da doença:

A fase aguda se inicia após o período de incubação, que pode durar entre 8 a 20 dias. Neste período, a bactéria atinge o fígado, baço e os linfonodos, onde passa a se multiplicar, causando a inflamação dessas áreas. 

Além disso, as células infectadas são transportadas pelo sangue, atingindo outros órgãos como pulmões e rins, o que acarreta na inflamação e infecção destes tecidos. Em alguns casos, a fase aguda pode durar por vários anos sem provocar sintomas claros e relevantes.

Durante este período, é comum notar que o animal apresente febre, anorexia e perda de peso. 

A fase subclínica pode acontecer entre o período de 6 a 9 semanas de incubação, assim como pode persistir por até 5 anos. Nesta fase, além de anemia, ocorre a diminuição significativa do número de glóbulos brancos e de plaquetas.

Além disso, na fase subclínica pode ocorrer a palidez na mucosa, perda de apetite e depressão. Os cães com o sistema imunológico debilitado e sem resistência podem ir a óbito.

A fase crônica é composta por sintomas semelhantes aos da  fase aguda, os cães podem sofrer com perda de peso, maior facilidade à infecções e apatia. Tosses, conjuntivite, hemorragias, uveíte, vômitos, tremores e problemas de pele podem ser sintomas encontrados. 

Além disso, o abdome do pet também pode ficar sensível e dolorido devido ao aumento do baço, do fígado e dos linfonodos. 

Se seu animal apresentar qualquer um desses sintomas, procure um médico veterinário imediatamente. 

O sucesso do tratamento da doença do carrapato está diretamente ligado à rapidez com que o animal inicia o tratamento assistido por um médico veterinário.

cachorro rolando na grama

Causas da doença do carrapato

Os dois tipos de doença do carrapato são causados pela contaminação através do parasita chamado Rhipicephalus sanguineus

No entanto, nem todo carrapato está contaminado com a bactéria Ehrlichia ou com o protozoário causador da babesiose, ou seja, nem sempre que um carrapato picar seu animal, ele ficará doente. 

Contudo, também não é possível saber quando o parasita está contaminado sem a realização de exames. Por isso, a prevenção deve ocorrer antes de qualquer coisa. 

Por isso, se você encontrar um carrapato no seu animal, entenda como um sinal de alerta para aumentar a observação dos sintomas e a prevenção. 

Caso seu cachorro ou gato demonstre mudanças comportamentais ou algum dos sintomas listados acima, procure um médico veterinário o quanto antes. 

Além da presença de carrapatos no próprio animal, encontrar o parasita no ambiente também deve deixar o tutor mais atento. O pequeno aracnídeo é mais comum em locais com grama alta e sem a higiene adequada.

Encontrou um carrapato? Fique atento e em caso de sintomas, procure um médico veterinário. A confirmação da doença do carrapato acontece com exames laboratoriais de sangue e testes sorológicos

Assim, o veterinário consegue indicar o tratamento mais adequado.

Diferença entre Erliquiose e Babesiose

Agora que você já conhece as causas da doença do carrapato em cachorro, vamos conhecer um pouco mais sobre a diferença entre elas? 

Apesar dos sintomas clínicos parecidos e do mesmo agente transmissor, as duas doenças do carrapato são diferentes.  

Por conta disso, para identificar qual das duas doenças do carrapato acometeram o animal é necessário realizar exames laboratoriais. Afinal, descobrir isso é importante pois cada uma delas possui um tratamento diferente.

A erliquiose é causada por uma bactéria, enquanto a babesiose por um protozoário. 

Erliquiose

A erliquiose é causada por um hemoparasita que ataca e destrói as plaquetas, que são as células de coagulação do sangue. O cãozinho pode ter hematomas, sangramento nasal espontâneo, apatia e seus olhos podem ficar azulados.

Babesiose

Provocada por um protozoário, a doença destrói as hemácias, as células vermelhas do sangue. A babesiose causa anemia, prostração, apatia, mucosas pálidas e cansaço.

Tratamento da doença do carrapato

Apesar de grave, a doença do carrapato tem cura. Cada médico veterinário possui um protocolo para tratar os animais, mas, em geral, podem ser tratadas sem a necessidade de internação quando diagnosticadas no início. 

Nos casos mais graves, que resultam na redução drástica das plaquetas sanguíneas, a transfusão sanguínea pode ser indicada. Em casos mais leves, o tratamento inclui antibióticos, antiparasitários para eliminação dos parasitas que ainda podem estar no corpo do pet.

Para que o tratamento tenha sucesso, é importante levar o animal ao médico veterinário a tempo. Essas doenças deixam o animal debilitado e impedem que ele mesmo combata a bactéria ou o protozoário.

Como prevenir a doença do carrapato

cachorro sendo medicado com antipulgas

Apesar de ser grave, a doença do carrapato é muito fácil de prevenir. A melhor forma de proteger seu pet da  babesiose e a erliquiose é aplicando medicamentos antipulgas e anticarrapatos

Além disso, verifique o pelo e a pele do seu cachorro em busca dos temidos carrapatos sempre que ele sair na rua. Faça buscas mais intensas quando o animal brincar na grama ou em locais com mais vegetação. 

A inspeção deve ser mais intensa nas orelhas e nas patas, principalmente entre os dedos.

É muito fácil manter seu animal protegido e existe uma grande variedade de medicamentos para deixar os carrapatos longe do seu pet. Conheça os principais:

Pipetas antipulgas

São medicamentos de uso tópico, que devem ser aplicados no dorso do animal de acordo com a bula. 

Eles são muito eficazes desde que utilizados com a pele seca e que o animal não tome banho dentro do período indicado pelo fabricante. 

Estão disponíveis pipetas antipulgas e carrapaticidas de diversas marcas e cada uma possui um período de ação diferenciado.

Medicamentos orais

Os antiparasitários de uso oral são comprimidos muitas vezes mastigáveis e palatáveis para facilitar a administração. 

Eles também possuem períodos de ação diferenciados e devem ser oferecidos ao animal de acordo com a bula para mantê-lo protegido. 

Talcos

Os talcos são medicamentos de aplicação tópica que auxiliam na prevenção de pulgas, carrapatos e outros parasitas.

Spray antipulgas

Assim como os talcos e as pipetas, os sprays antipulgas devem ser aplicados na pele do animal.

Coleiras antipulgas

Existe uma grande variedade de coleiras antipulgas, que podem ser eficazes contra pulgas, carrapatos, piolhos e até os mosquitos causadores da Leishmaniose.

Antes de escolher o antipulgas e remédio para carrapato que vai aplicar no seu bichinho, verifique qual o peso dele. Dar um medicamento indicado para animais maiores pode intoxicar seu bichinho. 

Por outro lado, dar doses inferiores é ineficaz para o combate dos parasitas. Cada antipulgas e anticarrapato possui um período de ação diferenciado. Mantenha o medicamento atualizado para proteger seu bichinho. 

Torne-se Assinante Cobasi, receba seu antipulgas quando quiser sem sair de casa e ainda ganhe 10%!

cachorro com carrapato na orelha

Outras doenças evitadas com antipulgas

Os medicamentos antipulgas e anticarrapatos estão disponíveis em pipetas, comprimidos, coleiras, talcos e sprays. Agora você já sabe que além de deixar seu bichinho livre da coceira das indesejadas pulgas, eles ainda protegem contra a doença do carrapato

Contudo, ele pode ajudar em diversas outras doenças também. Veja quais outras doenças os antipulgas e remédio para carrapato protegem seu pet:

Alguns animais apresentam DAPP (Dermatite Alérgica à Picada de Pulga) ou DAPE (Dermatite Alérgica à Picada de Ectoparasitas).  A Dermatite Alérgica à Picada de Pulga causa um desconforto enorme no animal, queda de pelo, vermelhidão e, muitas vezes, a descamação da pele. 

Os carrapatos são responsáveis por contaminar pet com bactérias e protozoários que podem até tirar a vida do animal. 

Os pernilongos também são vilões, por isso é importante manter seu cãozinho afastado. O mosquito é o agente transmissor da Leishmaniose Visceral Canina, doença gravíssima que pode ser transmitida também para humanos.

Use medicamentos antipulgas e anticarrapatos periodicamente e mantenha seu pet sempre protegido.

Quer saber mais sobre antipulgas e remédio para carrapato? Confira nossa seleção de conteúdos:

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

2 Comentários

  1. Gerusa Oliveira Macedo Lemos disse:

    Parabéns pelas explicações.

  2. juliano disse:

    oi. gostei muito do seu site, vou verificar toda semana as atualizações.Obrigado

Deixe o seu comentário