Bradicardia em cães e gatos: aprenda o que é e como tratar

4 de março de 2021

Saúde e Cuidados
cachorro com bradicardia

Os pets podem desenvolver problemas cardíacos com o passar dos anos, como a bradicardia, que é um dos tipos de arritmias que afetam cães e gatos. Em outros casos, bem menos comuns, mas possíveis, o animal também pode nascer com essa alteração.

Independente da situação, os tutores devem aprender como identificar uma irregularidade na saúde do bichinho, ainda mais se for relacionada ao coração. Por isso hoje é dia de falar sobre o bem-estar cardíaco do seu amigo.

O que é bradicardia em cães e gatos?

A bradicardia é a definição para batimentos lentos, ou seja, um ritmo anormal das palpitações do coração do animal. A alteração varia de acordo com o tamanho do bichinho. Quanto maior o pet, menor a frequência.

“Por exemplo, um São Bernardo tem uma frequência cardíaca normal de 60 a 100 bpm e um Chihuahua de 100 a 140 bpm. Em gatos, a frequência normal é de 110 a 200 bpm”, explica Bianca Bennati, médica veterinária Spet.

Entretanto, para falar melhor sobre a alteração, que pode ser o sinal de uma doença ou apenas uma adaptação fisiológica, temos que entender o que acontece com o coração do bichinho em um cenário diferente como este.

O órgão dos nossos animais de estimação são bem parecidos com os nossos e tem a função de bombear sangue para o resto do corpo dele. O nodo sinoatrial é o responsável por um marcapasso normal. Ele dá o impulso inicial do ritmo cardíaco e o processo é chamado de sinusal.

Quais os sintomas da bradicardia sinusal?

sintomas da bradicardia

Agora que você já sabe o nome do processo de pulsação do órgão, quando falamos que um pet tem bradicardia sinusal, estamos apontando que o batimento cardíaco está lento.

Esta indisposição pode acontecer por causas normais, alguma doença ou uso de determinado medicamento. De causas fisiológicas, certas raças de cachorro são propensas a ter bradicardia por conta da braquicefalia, que é a presença de focinho curto. E considerando a característica física temos o Pug, Boxer, Bulldog Inglês, Bulldog Francês e também gatos da raça Persa.

Como resultado do batimento lento, o animal pode apresentar sintomas como fraqueza, tontura, apatia e falta de ar.

Quais as principais causas da doença?

Primeiro, vamos falar sobre a alteração normal, que não traz preocupações. Você não precisa se preocupar com um batimento fraco quando o bichinho está dormindo ou curtindo um momento relaxado, pois é normal.

Uma outra causa da bradicardia são as patologias, ou seja, doenças que afetam o coração do cachorro ou do gato. Determinadas alterações, como problemas gastrointestinais, hipotermia e dificuldade respiratória tendem a apresentar um órgão desacelerado. Em casos assim, é importante procurar um veterinário para entender o estado de saúde do seu amigo e iniciar um tratamento.

A última causa dos batimentos alterados são as farmacológicas, as reações que remédios podem causar no organismo do animal. Em situações de sedação, é comum, por exemplo.

A bradicardia nem sempre é um risco para o pet, mas precisa ser estudada para um diagnóstico de confiança. Um pet que costuma ter o batimento lento necessita de acompanhamento com exames de check-up, mudanças na rotina e talvez tratamento contínuo com medicamentos. Porém, quem vai saber direcionar os próximos passos é o veterinário do seu amigo.

Quer ler mais sobre saúde animal? Temos outros conteúdos no nosso blog para você: