Vacina para cachorro: quando e porque imunizar o pet

Compartilhar:


vacina-para-cachorro
As vacinas para cachorro devem ser aplicados por médicos-veterinários

A vacina para cachorro é fundamental na prevenção de doenças. A prova disso é que a raiva em cães e gatos foi praticamente erradicada na América Latina por causa das campanhas de imunização contra a doença realizadas nas últimas décadas.

Entretanto, diferente da antirrábica, ainda existem vacinas que não possuem a mesma adesão dos tutores. Os motivos vão desde o fato desses imunizantes não pertencerem às campanhas de vacinação gratuitas, passando pelos movimentos antivacina, até a falta de informação sobre cobertura vacinal.

Neste post você encontrará informações sobre as vacinas para cães disponíveis em território brasileiro, quais as doenças que podem ser prevenidas pelos imunizantes e qual o calendário vacinal de cachorros. Confira a entrevista com a médica-veterinária da Educação Corporativa da Cobasi Joyce Aparecida Santos Lima (CRMV-SP 39824).

Vacina para cachorro: conheça as mais importantes

cachorro tomando vacina

Uma das principais preocupações do tutor de cães precisa ser quais vacinas o cachorro deve tomar. Esse cuidado começa quando o pet ainda é um filhote com cerca de 45 dias e deve se estender por toda a vida do animal.

A vacinação canina previne doenças que vão desde zoonoses, como a raiva, até verminoses e enfermidades altamente letais, como a cinomose. Ainda existem imunizantes que previnem contra diversas doenças, à exemplo da vacina polivalente para cachorro, e outros que têm ação específica. Em todos os casos, o reforço periódico deve ser feito com seu médico-veterinário de confiança.

Conheça as vacinas para cães:

Vacina para cachorro múltipla ou polivalente

Conhecidos como polivalente ou vacina múltipla, esses imunizantes previnem contra diversas doenças que podem levar o pet à óbito. São elas: cinomose, parvovirose, coronavirose canina, hepatite infecciosa canina, adenovirose, parainfluenza e leptospirose.

Existem diversos fabricantes e tipos de imunizantes polivalentes. Eles variam tanto no tipo de tecnologia utilizada (fragmentos de vírus, vírus enfraquecido, entre outras), até na quantidade de doenças as quais eles previnem. Por isso, existem vários nomes de vacina contra a cinomose: V8, V10, vacina V11 e vacina V12.

Os nomes variam de acordo com a quantidade de doenças ou cepas de vírus ou bactérias que ela previne e apenas um médico-veterinário pode indicar qual é a ideal para o seu pet. Conheça as doenças que as vacinas V8, V10, V11 e V12 podem prevenir:

Cinomose

A cinomose é uma infecção viral altamente contagiosa, que afeta os sistemas nervoso, respiratório e digestivo do animal. Essa doença pode ser curada, mas seu tratamento é bastante específico, intenso e caro.

Além disso, o vírus CDV, ou Canine Distemper Virus, é muito agressivo e é muito comum o óbito em cães filhotes ou doentes. O tratamento é feito com medicamentos que ajudam a manter a imunidade alta para que o próprio organismo do animal combata o vírus. É comum que aqueles animais curados tenham sequelas por toda a vida.

Esta doença pode ser contraída em qualquer lugar, como parques, ruas e até levada para dentro de casa pelas roupas e sapatos dos tutores. Por isso, a vacinação deve ser feita corretamente.

Parvovirose

Uma doença grave que afeta o sistema digestivo do pet, gerando diarreia e vômito frequente e levando o animal à desidratação. Os cães adultos costumam ser mais resistentes ao parvo vírus canino, mas é comum o óbito em filhotes. Não deixe de vacinar seu pet contra parvovirose canina!

Coronavirose canina

Enquanto o coronavírus que atinge humanos não contamina os cães, o coronavírus canino também não pode afetar as pessoas. Sendo assim, não é considerada uma zoonose. Mas não é por isso que não deve ser prevenida. A doença causa diarreia e desidratação.

Hepatite Canina

Semelhante à hepatite que acomete os humanos, a hepatite em cachorro afeta o fígado e é contagiosa.

Leptospirose

A leptospirose é uma zoonose, já que afeta cães e humanos. Causada pela bactéria Leptospira, a doença é transmitida principalmente pelo contato com a urina de ratos contaminados.

Altamente contagiosa, a leptospirose pode ser contraída em um simples passeio na rua. Sendo assim, manter seu pet vacinado é a opção mais eficaz para a saúde do cachorro e de toda a sua família.

Existem diversas cepas da bactéria Leptospira e a quantidade de tipos abrangidos pela vacina é a principal diferença nas V8, V10, V11 e V12. Algumas dessas cepas não existem em território nacional.

Parainfluenza

A Parainfluenza causa problemas respiratórios, como pneumonia.

A vacina para cachorro múltipla possui um protocolo vacinal diferenciado para filhotes e adultos. “De uma forma geral, recomenda-se que as vacinas múltiplas para cães (V8, V10, V11 ou V12) sejam aplicadas em 3 doses com o intervalo de 3 a 4 semanas entre elas, não excedendo isso, caso contrário, irão perder seu efeito inicial de estímulo à imunidade”, explica a veterinária Joyce Lima.

Nos adultos, é recomendável o reforço anual ou o exame de titulação vacinal canina para avaliar os níveis de anticorpos contra as doenças listadas. Siga sempre a orientação do médico-veterinário do seu pet e mantenha seu cachorro livre de doenças que podem matá-lo.

Vacina Antirrábica

A vacina antirrábica para cachorro é a mais difundida entre os tutores de pets. Por se tratar de uma doença muito grave e que é considerada zoonose, ou seja, que pode contaminar humanos, campanhas pela imunização foram e ainda são muito comuns. A sua gratuidade em diversos países da América Latina fez com que a raiva fosse praticamente erradicada no continente americano.

Hoje em dia, algumas cidades brasileiras seguem com campanhas de vacinação gratuita. Entretanto, a vacina contra raiva em cachorro também é aplicada por médicos-veterinários de forma paga e é extremamente recomendada.

De forma geral, esta é uma vacina de cachorro, que deve ser aplicada junto com a última dose da vacina V10, ou V8, V11 e V12, em filhotes. O imunizante também exige reforços anuais para manter a eficácia.

Esta aplicação tem uma peculiaridade. É a mesma vacina para cães e gatos, visto que a doença pode afetar ambos. A raiva também pode contaminar humanos, morcegos, macacos e outros mamíferos.

Vacina de gripe canina ou tosse dos canis

A vacina para cachorro contra gripe é muito conhecida como vacina contra a tosse dos canis. Isso porque a traqueobronquite infecciosa canina (TIC) é facilmente transmitida em locais com muitos cães. Bem parecida com a doença em humanos, não é?!

Assim como nos humanos, a vacina de gripe canina tem o propósito de prevenir a doença e evitar que, caso ela venha, tenha sintomas muito fortes. São eles: tosse, espirros, febre, perda de apetite, coriza e prostração. Se não tratada, a gripe canina pode evoluir para pneumonia.

Essa é uma vacina que os veterinários costumam recomendar para cães que ficam em creches, visitam parques e até mesmo aqueles que encontram outros pets nos passeios diários. Este imunizante também exige reforços anuais.

Vacina de giárdia para cães

A vacina contra a giardíase não previne, mas reduz muito a incidência e a gravidade da doença e é recomendada por muitos veterinários.

A giardíase pode ser transmitida para os humanos e é causada por um protozoário. Ela acomete o sistema digestivo causando diarreia intensa com muco e sangue, vômitos, desidratação, falta de apetite, letargia e cansaço.

O protocolo também pode variar de um veterinário para o outro, mas o mais comum é o de 2 doses iniciais e o reforço anual com 1 dose. Procure seu veterinário e se informe sobre a necessidade dessa vacina para cachorro.

Vacina contra Leishmaniose Canina

A Leishmaniose é uma zoonose muito grave para cães e humanos. A doença é causada por protozoários do gênero Leishmania, da família Trypanosomatidae, e transmitida pela picada do mosquito-palha.

A inclusão dessa vacina no calendário de imunização varia de acordo com a localidade. Existem zonas endêmicas onde esse cuidado é mais recomendado. Essa vacina pra cachorro pode ser administrada a partir dos 4 meses de vida e exige reforço anual.

Vacina para carrapato em cachorro

Até hoje, não existe nenhuma vacina contra carrapato segura para a utilização em cães. A proteção contra esses parasitas deve ser feita com coleiras, medicamentos orais ou de uso tópico.

Vacina para cachorro não engravidar

A injeção para cachorro não engravidar, na verdade, é um inibidor do cio em cadelas, não uma vacina. Esse medicamento é recomendado por alguns veterinários para casos em que a gestação acarreta risco de morte e a castração não pode ser realizada pela saúde do animal.

Existem muitos profissionais que não recomendam esse medicamento pelos efeitos colaterais, que vão desde mal-estar até câncer agressivo. Para evitar gestações, a castração ainda é a opção mais segura e eficaz.

Calendário de vacinação: filhotes

Assim como nós temos um protocolo vacinal, que nos mantém livres de diversas doenças durante toda a vida, os animais também têm. O calendário de vacinação dos cães é diferenciado para filhotes e adultos.

A imunização dos filhotes começa com o leite materno chamado colostro. Isso mesmo! Esse leite produzido pela mãe nas primeiras 24 horas após o parto é rico em proteínas e anticorpos e mantém o bebê protegido até por volta dos 45 dias de vida. “É exatamente quando deve ocorrer a primeira dose das vacinas múltiplas”, complementa a médica-veterinária Joyce Lima.

Sendo assim, a primeira vacina do cachorro deve ser dada por volta dos 45 dias de vida e o calendário de imunização começa com a vacina múltipla, que protege contra cinomose, parvovirose e outras doenças.

Existem veterinários que recomendam 3 e outras 4 doses, sempre com o intervalo de 3 a 4 semanas entre elas. Siga a orientação do profissional de sua confiança e faça os reforços anuais. A vacina para cachorro filhote é a mesma que a dada para adultos, mas deve ser feita anualmente para ter eficácia.

As demais vacinas, como antirrábica, tosse dos canis e leishmaniose, costumam ser indicadas somente após o término das doses da múltipla. A recomendação de cada veterinário pode variar, mas sempre será baseada em estudos científicos e buscando o melhor para o seu pet.

Caso você esteja na dúvida se pode vacinar cachorra no cio, procure seu médico-veterinário para avaliar a saúde e a imunidade do animal. Caso esteja saudável, ela pode ser imunizada. Entretanto, existem profissionais que preferem esperar o cio passar, pois o período gera muitas alterações no organismo.

Não esqueça do reforço anual

vacina e cuidados veterinários com cachorro

As vacinas anuais do cachorro são as mesmas dadas aos filhotes: polivalente, antirrábica, gripe e leishmaniose. O reforço anual foi definido por veterinários por causa da curva imunológica.

Para manter a imunidade total do organismo e consequentemente prevenir as doenças, o tutor deve respeitar os prazos determinados pelo veterinário. Caso não seja feito o reforço ou este atrase, a curva imunológica cai, expondo o animal.

O reforço anual é a recomendação mais segura para não deixar o pet desprevenido. Entretanto, existem alguns profissionais que optam pela realização do exame de titulação canina, que avalia a curva imunológica. Dessa forma, é possível indicar qual vacina precisa ou não de reforço.

Esse segundo protocolo é mais incomum, pois aumenta bastante o valor investido pelo tutor. Sendo assim, a vacinação anual é a forma mais segura e econômica de manter seu pet saudável.

Vacina para cachorro: preço

No geral, o preço da vacina cachorro filhote e para adulto é o mesmo, pois são os mesmos imunizantes. No entanto, os filhotes devem receber mais doses do que os cães adultos.

O preço da vacina para cachorro varia muito desde o tipo de imunizante, passando pela clínica e pela localidade, até a procedência. Os veterinários podem aplicar tanto a vacina importada para cachorro quanto a vacina nacional para cães. A diferença entre elas é o local onde são fabricadas.

Não existe uma melhor ou pior. O seu médico-veterinário pode determinar qual ele prefere utilizar. Esse profissional tem a especialização necessária para definir qual a melhor opção para seu pet.

Posso aplicar a vacina em casa ou em uma casa de ração?

Não é recomendável aplicar as vacinas para cão sem um médico-veterinário. Apesar da aplicação em si ser algo relativamente simples pode ser potencialmente perigoso.

Antes de fazer a injeção no animal, o veterinário realiza uma avaliação da saúde do pet. Animais debilitados não devem ser vacinados, pois a ação da vacina para cachorro pode derrubar a imunidade do animal e diversas doenças podem eclodir. Um profissional é capaz de verificar a condição de saúde do pet e pedir exames caso considere necessário. Isso torna a vacinação do cachorro muito segura e eficaz.

Ainda tem dúvidas sobre a vacinação em cachorro? Deixe a sua pergunta nos comentários!

Joyce Aparecida Santos Lima

| Atualizada em

Colaboração de Joyce Aparecida Santos Lima

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

2 Comentários

  1. sueli disse:

    Estou com uma cachorra de 7 meses que peguei de maus-tratos e ela veio com a doença do carrapato. Já cuidei fiz exame pra detectar a doença dei remédios. Agora ela esta ótima porém sem vacina por que eu tinha dado a 1 dose da v8 e descobri a doença depois, ai tive que parar, mas agora ela come bem dorme bem enfim esta ótima. Infelizmente não tenho dinheiro para repetir todos os exames,perdi meu emprego e preciso dar continuidade nas vacinas eu gostaria de saber se posso dar continuidade nas vacinas.

    • Joe Oliveira disse:

      Oi, Sueli, como vai? Ficamos muito felizes que a sua cachorrinha ficou bem. Algumas prefeituras oferecem veterinários gratuitos, que podem realizar consulta e até vacinar o seu pet. Ainda existem hospitais públicos e veterinários com preços populares. Recomendamos que pesquise esses locais na sua cidade. Confira mais informações no site: https://cobasicuida.com.br/ =)

Deixe o seu comentário