Pancreatite em gatos: uma doença difícil de identificar

Compartilhar:


pancreatite em gatos
Female veterinarian vaccinating cute cat in clinic

A pancreatite em gatos é uma doença séria que necessita de tratamento imediato para não comprometer a saúde do felino. No entanto, seus sintomas são bem distintos, o que pode causar dificuldade na hora de dar um diagnóstico preciso.

Embora essa doença possa ser assustadora para os tutores de gatos, a pancreatite felina tem tratamento, portanto, com alguns cuidados é possível diminuir o avanço da enfermidade. 

Saiba mais sobre essa patologia com Bruno Carlos Sattelmayer de Lima, da Educação Corporativa da Cobasi.

O que é a pancreatite felina?

A pancreatite nada mais é do que uma inflamação no pâncreas do gato. Essa doença é muito frequente e ocorre quando existe uma ativação inapropriada das enzimas digestivas. 

“A pancreatite em gatos pode surgir por diversos fatores e pode ser classificada como pancreatite aguda ou crônica. O gato pode apresentar anorexia, vômitos, diarreias, letargias, desidratação, aumento do consumo de água e aumento da diurese”, conta Bruno Lima.

Essa doença é grave e pode ter sintomas muito distintos, que vão desde a anorexia, dor abdominal, vômitos, diarreia e até reações sistêmicas altamente graves que podem levar o felino a óbito.  

Os sintomas de pancreatite felina também podem vir atrelados a outros problemas de origem gastrointestinal, e além disso causar tromboembolismo, edema pulmonar, efusões pleurais e alterações eletrolíticas. 

Sendo assim, é fundamental que a pancreatite seja considerada sempre que o gato apresentar algum sintoma que se encaixe nessas patologias, especialmente caso o felino já seja idoso.

Não existe uma causa exata para o surgimento da pancreatite. Entretanto, alguns fatores podem influenciar no seu aparecimento, como:

  • idade a partir dos 7 anos; 
  • genética ;
  • ingestão de alimentos gordurosos; 
  • trauma ou isquemia do pâncreas; 
  • refluxo duodenal; 
  • ingestão de alguns medicamentos; 
  • obstrução do canal pancreático; 
  • excesso de cálcio no sangue;
  • doenças infecciosas; 
  • parasitas; 
  • inflamação em órgãos do sistema gastrointestinal.

Por que é difícil identificar a doença?

Como dissemos, os sintomas da pancreatite variam muito, e por isso não são suficientes para um diagnóstico conclusivo. Sendo assim, para ter certeza do diagnóstico, o veterinário deve submeter o felino a exames laboratoriais.

Os exames devem identificar alterações no organismo do animal, como a hipoalbuminemia, hipercolesterolemia, hiperglicemia, hipocalemia e hipocalcemia. Esses indicativos podem ser avaliados juntos, para aumentar a suspeita da ocorrência do problema. 

Um exame de ultrassom também pode ser solicitado para garantir que o animal não está com algum problema grave no pâncreas. Além disso, esse exame é capaz de descartar alterações em outros órgãos. 

Contudo, vale observar que mesmo que o exame de ultrassom apresente normalidade, não se deve descartar a ocorrência de pancreatite.

Caso o veterinário ainda tenha dúvidas, ele pode solicitar exames específicos para o diagnóstico da doença, como o teste de imunorreatividade da lipase pancreática felina.

Tratamento e prevenção da pancreatite em gatos

pancreatite em gatos
A red-haired white homeless cat lies on the city street.

Infelizmente, ainda não existe remédio para a pancreatite felina, assim como não existe uma cura total da doença. 

“Como a pancreatite pode surgir por diversas causas, o mais importante para evitá-la é realizar acompanhamento frequente com o médico-veterinário, e se o mesmo solicitar, sempre realizar exames de imagem, como ultrassonografia”, afirma Lima.

O veterinário também lembra que a melhor forma de tratar a pancreatite é através de uma dieta específica para o animal. Portanto, a alimentação dos gatos com pancreatite deve ser balanceada, pobre em gorduras e, de preferência, à base de ração específica para animais com a doença. 

Além disso, é possível realizar uma suplementação vitamínica à base de vitamina B12. Alguns medicamentos podem ser indicados pelo veterinário para melhorar os sintomas de vômito, dor e diarreia. 
Portanto, é fundamental restringir o gato a uma alimentação específica à base de ração e petiscos específicos para gatos e evitar qualquer alimento humano sem recomendação. Afinal, desse modo o tutor pode ajudar a prevenir o surgimento da doença.

Bruno Carlos Sattelmayer de Lima

Colaboração de Bruno Carlos Sattelmayer de Lima

Compartilhar:

Você pode gostar de ver também…

Deixe o seu comentário